2019 - MARÇO - 31 - Liturgia Diária da Igreja Católica Apostólica Romana

"extra Ecclesiam nulla salus"
Ir para o conteúdo
MISSAL > LITURGIA DO DIA
PROPÓSITO QUARESMAL
DOMINGO, 31 DE MARÇO DE 2019 - 26º DIA
"Participarei da Santa Missa com devoção, e após o término, permanecerei em reflexão sobre o Evangelho do dia"
VATICAN NEWS - ESPAÑOL
NOTICIÁRIO DO VATICANO







4º DOMINGO – QUARESMA

O povo de Deus celebra a Páscoa
depois de entrar na Terra Prometida.

Leitura do Livro de Josué 5,9a.10-12

Naqueles dias:
9ao Senhor disse a Josué:
‘Hoje tirei de cima de vós o opróbrio do Egito’.
10Os israelitas ficaram acampados em Guilgal e
celebraram a Páscoa no dia catorze do mês,
à tarde, na planície de Jericó.
11No dia seguinte à Páscoa comeram dos produtos da
terra, pães sem fermento e
grãos tostados nesse mesmo dia.
12O maná cessou de cair no dia seguinte,
quando comeram dos produtos da terra.
Os israelitas nóo mais tiveram o maná.
Naquele ano comeram dos frutos da terra de Canaó.
Palavra do Senhor.


R. Provai e vede quão suave é o Senhor!
2Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,*
seu louvor estará sempre em minha boca.
3Minha alma se gloria no Senhor;*
que ouçam os humildes e se alegrem!
R.

4Comigo engrandecei ao Senhor Deus,*
exaltemos todos juntos o seu nome!
5Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu,*
e de todos os temores me livrou.
R.

6Contemplai a sua face e alegrai-vos,*
e vosso rosto nóo se cubra de vergonha!
7Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido,*
e o Senhor o libertou de toda angústia.
R.

Por Cristo, Deus nos reconciliou com ele mesmo.

Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios 5,17-21

Irmãos:
7Se alguém está em Cristo,
é uma criatura nova.
O mundo velho desapareceu.
Tudo agora é novo.
18E tudo vem de Deus,
que, por Cristo, nos reconciliou consigo
e nos confiou o ministério da reconciliação.
19Com efeito,
em Cristo, Deus reconciliou o mundo consigo,
não imputando aos homens as suas faltas
e colocando em nós a palavra da reconciliação.
20Somos, pois, embaixadores de Cristo,
e é Deus mesmo que exorta através de nós.
Em nome de Cristo, nós vos suplicamos:
deixai-vos reconciliar com Deus.
21Aquele que não cometeu nenhum pecado,
Deus o fez pecado por nós,
para que nele nós nos tornemos justiça de Deus.
Palavra do Senhor.


Este teu irmóo estava morto e tornou a viver.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 15,1-3.11-32

Naquele tempo:
1Os publicanos e pecadores
aproximavam-se de Jesus para o escutar.
2Os fariseus, porém, e os
mestres da Lei criticavam Jesus.
‘Este homem acolhe os pecadores
e faz refeição com eles.’
3Então Jesus contou-lhes esta parábola:
11‘Um homem tinha dois filhos.
12O filho mais novo disse ao pai:
‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’.
E o pai dividiu os bens entre eles.
13Poucos dias depois, o filho mais novo
juntou o que era seu
e partiu para um lugar distante.
E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada.
14Quando tinha gasto tudo o que possuía,
houve uma grande fome naquela região,
e ele começou a passar necessidade.
15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar,
que o mandou para seu campo cuidar dos porcos.
16O rapaz queria matar a fome
com a comida que os porcos comiam,
mas nem isto lhe davam.
17Então caiu em si e disse:
‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura,
e eu aqui, morrendo de fome.
18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe:
`Pai, pequei contra Deus e contra ti;
19já não mereço ser chamado teu filho.
Trata-me como a um dos teus empregados’.
20Então ele partiu e voltou para seu pai.
Quando ainda estava longe, seu pai o avistou
e sentiu compaixão.
Correu-lhe ao encontro, abraçou-o,
e cobriu-o de beijos.
21O filho, então, lhe disse:
‘Pai, pequei contra Deus e contra ti.
Já não mereço ser chamado teu filho’.
22Mas o pai disse aos empregados:
`Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho.
E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés.
23Trazei um novilho gordo e matai-o.
Vamos fazer um banquete.
24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver;
estava perdido e foi encontrado’.
E começaram a festa.
25O filho mais velho estava no campo.
Ao voltar, já perto de casa,
ouviu música e barulho de dança.
26Então chamou um dos criados
e perguntou o que estava acontecendo.
27O criado respondeu:
`É teu irmão que voltou.
Teu pai matou o novilho gordo,
porque o recuperou com saúde’.
28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar.
O pai, saindo, insistia com ele.
29Ele, porém, respondeu ao pai:
`Eu trabalho para ti há tantos anos,
jamais desobedeci a qualquer ordem tua.
E tu nunca me deste um cabrito
para eu festejar com meus amigos.
30Quando chegou esse teu filho,
que esbanjou teus bens com prostitutas,
matas para ele o novilho cevado’.
31Então o pai lhe disse:
`Filho, tu estás sempre comigo,
e tudo o que é meu é teu.
32Mas era preciso festejar e alegrar-nos,
porque este teu irmão estava morto e tornou a viver;
estava perdido, e foi encontrado’.’
Palavra da Salvação.



REFLEXÃO - MARIA NAZARÉ LINS BARBOSA


26º dia

“Lembrai-vos de nós, ó Senhor, segundo o amor para com vosso povo!” (Sl 105).

“O que não se esquece - diz São Tomás de Aquino (1225-1274) - é precisamente o que se faz com solicitude e amor.

Ora, Deus ama com solicitude o bem do homem; por- tanto, Ele não o esquece”. Que consolo, Senhor, saber que não me esqueces, que estás sempre comigo. Mas eu, Senhor, nem sempre estou contigo. No corre corre, no dia a dia, a oração fica às vezes esquecida. O trabalho sai de qualquer jeito. A paciência se esgota facilmente. Com quanto realismo nos descreve o Salmo como o povo caiu na idolatria durante o Êxodo em direção à Terra prometida: “Esqueceram-se do Deus que o salvara, que fizera maravilhas no Egito; no mar Vermelho, tantas coisas assombrosas. Eles trocaram o seu Deus, que é sua glória, pela imagem de um boi que come feno.” (Sl 105).

Senhor, vós reabris durante esta Quaresma, a estrada do Êxodo, para que tomemos consciência de nossa vocação à santidade, caminhando cada dia desta vida em direção ao Céu. Hoje Senhor - cada dia - quero viver em tua companhia.

Oração: Não permitais, Senhor, que eu algum dia me separe de vós! Do inimigo maligno, defendei-me! Na hora da minha morte, chamai-me! Ó bom Jesus, ouvi-me! Que no dia de hoje, com a tua graça, meu olhar, meus afetos, meu coração, estejam junto a Ti. Amém.


4º Domingo da Quaresma

“Vós que estais tristes, exultai de alegria” (Is 66, 10).

Há momentos, Senhor, em que essa alegria não me pertence. Sinto a inquietação da solidão. Meu mundo afetivo se dispersa. Parece que toda a alegria do mundo é “fake”. É o momento, Senhor, de te “olhar nos olhos”. É o momento de entrar em um diálogo contigo sem palavras, porque, no amor, os silêncios costumam ser mais eloquentes do que as palavras. Preciso encontrar teu rosto. Senhor, por que razão às vezes parece que estás ausente, quando tantos sofrem, quando o mal se estende, quando a dúvida paira e a dor me vence? Contemplo o Crucifixo. Seu rosto sereno me confirma que nada nos pode fazer perder a paz.

A Quaresma nos recorda que Deus amou tanto o mundo que enviou o seu Filho para que sejamos salvos por Ele! Sim, Ele tomou sobre si as nossas dores, do corpo e da alma. Somos filhos de Deus, irmãos em Cristo. A dor se faz amor no seu mistério redentor. E as reais alegrias deste mundo - já deliciosas e consoladoras, embora incompletas - são prenúncio da alegria plena e eterna que nos aguarda no Céu, onde O veremos face a face.

Oração: Ó Deus, luz de todo ser humano que vem a este mundo, iluminai nossos corações com o esplendor da vossa graça, para pensarmos sempre o que vos agrada e amar- vos de todo o coração. Por Cristo, nosso Senhor.



REFLEXÃO - PADRE JOÃO LUÍS FÁVERO - CAMPINAS


“Provai e vede quão suave é o Senhor!”
Lc 15, 1-3. 11-32

Hoje a meditação da Palavra de Deus, destaca a misericórdia de Deus que resgata os filhos perdidos. A chave para a interpretação dessas parábolas está na acusação que as autoridades fazem a Jesus: “Ele acolhe e come com os pecadores”. O maior pecado é não crer na misericórdia do Pai. Não aceitar a atitude que cura e restaura o coração.

Na Parábola, o filho mais novo resolve tomar o destino de sua própria vida, de forma egoísta e mesquinha abandona a família e pega somente o que lhe interessa: a herança. E sai em busca de aventura. Mas acaba se dando mal; suas loucuras levaram ao país da fome e da solidão.

A vida longe de Deus configura-se como morte, por ser ruptura com a fonte da vida. Imperaram, aí, o egoísmo e a maldade. Viver longe de Deus é se perder e se enveredar por desvios e atalhos, caminhando sem rumo. E, quase sempre tendo a infelicidade e a frustração como resultado.

O filho mais novo resolve voltar para a casa paterna, um ato de sensatez deste filho desviado. Pois, na casa paterna está a vida, a segurança e a paz. Sem perguntas embaraçosas e nem ameaças, o pai, restitui-lhe a dignidade da roupa nova, das sandálias e do anel. O Pai o acolhe com alegria e festa a volta dos filhos pecadores.  

Não era isto que muitos esperavam do Messias. Esses esperavam que viesse com os punhos fechados, para golpear o mundo. E Ele veio curar as feridas com a seu amor e ternura. Este modo de ser não foi entendido por muitos (fariseus e escribas) e nem pelo filho mais velho, para quem o amor do Pai, passou dos limites e não coube em seu coração fechado.

O diálogo do pai com o filho mais velho esclarece a situação do filho mais novo: “Estava morto e tornou a viver, estava perdido e foi encontrado”. É o caminho da reconciliação, do perdão e da misericórdia. Esta é a festa que devemos celebrar, e não a bronca de um coração endurecido, egoísta sem a alegria do amor e a gratidão de ser perdoado.

Rezemos: Senhor, não quero ser egoísta, que na força do seu amor divino que nos envolve, quero voltar a casa paterna.

Deus abençoe você e sua família.

REFLEXÃO - FREI RINALDO STECANELLA, OSM


Bom dia. Deus abençoe sua vida nessa fascinante jornada de domingo que já chegou. É o DIA DO SENHOR por excelência. Está chegando o merecido descanso, não é mesmo? Repor as energias faz bem!!! Cuidar do Corpo é um ato de amor e respeito para com Deus! Mas também não podemos descuidar da Família e de Deus. Portanto, convide sua família e escolham um bom horário para participar de sua comunidade. A ORAÇÃO em família fortalece os laços de amor e união e também é alimento para a alma. Estamos no quarto domingo da quaresma, também chamado "Laetare" (latim) que significa "Alegra-te"...alegria pela Páscoa que se aproxima. É a primeira palavra da Liturgia de hoje que cita um texto do profeta Isaias.

Laetare Jerusalem et conventum facite omnes qui diligitis eam gaudete cum laetitia qui in tristitia fuistis ut exsultetis et satiemini ab uberibus consolationis ejus (Is 66, 10ss)
Tradução:
Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundância de suas consolações (Is 66,10s).

Então que seu domingo seja repleto de alegrias e bençãos. Viva esta alegria e irradie alegria por onde passar e com as pessoas que encontrar.

Com carinho e bençãos
Frei Rinaldo, osm







SANTA BALBINA

ORAÇÃO

Senhor Deus e Pai, vossa bondade supera todas nossas expectativas. Sua graça nos concede muito mais do que precisamos. Fica sempre conosco e dai-nos, pela intercessão de santa Balbina, a coragem de enfrentar todas as adversidades do dia-a-dia. Por Cristo nosso Senhor. Amém!







FEVEREIRO
DOM
SEG
TER
QUA
QUI
SEX
SÁB





1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
181920212223
2425262728

PUBLICIDADE
- DEDICADO À VIRGEM MARIA -
Voltar para o conteúdo