04 de Agosto de 2017 - 6ª-feira da 17ª Semana do Tempo Comum - Liturgia Católica Apostólica Romana

www.liturgiacatolica.com
Ir para o conteúdo

Menu principal:

04 de Agosto de 2017 - 6ª-feira da 17ª Semana do Tempo Comum

LITURGIA DIÁRIA > 2017 - AGOSTO
PUBLICIDADE
6ª-feira da 17ª Semana do Tempo Comum - 4 de Agosto de 2017

S. João Maria Vianney Presb, memória

Cor: Branco

1ª Leitura - Lv 23,1.4-11.15-16.27.34b-37

Estas são as solenidades do Senhor,
nas quais convocareis santas assembléias.

Leitura do Livro do Levítico 23,1.4-11.15-16.27.34b-37 1

O Senhor falou a Moisés, dizendo:
4 'São estas as solenidades do Senhor em que convocareis santas assembléias no devido tempo:
5 No dia catorze do primeiro mês, ao entardecer, é a Páscoa do Senhor.
6 No dia quinze do mesmo mês é a festa dos ázimos, em honra do Senhor. Durante sete dias comereis pães ázimos.
7 No primeiro dia tereis uma santa assembléia, não fareis nenhum trabalho servil;
8 oferecereis ao Senhor sacrifícios pelo fogo durante sete dias. No sétimo dia haverá uma santa assembléia, e não fareis também nenhum trabalho servil'.
9 O Senhor falou a Moisés, dizendo:
10 'Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando tiveres entrado na terra que vos darei, e tiverdes feito a colheita, levareis ao sacerdote um feixe de espigas como primeiros frutos da vossa colheita.
11 O sacerdote elevará este feixe de espigas diante do Senhor, para que ele vos seja favorável: e fará isto no dia seguinte ao sábado.
15 A partir do dia seguinte ao sábado, desde o dia em que tiverdes trazido o feixe de espigas para ser apresentado, contareis sete semanas completas.
16 Contareis cinqüenta dias até o dia seguinte ao sétimo sábado, e apresentareis ao Senhor uma nova oferta.
27 O décimo dia do sétimo mês é o dia da Expiação. Nele tereis uma santa assembléia, jejuareis e oferecereis ao Senhor um sacrifício pelo fogo.
34b No dia quinze deste sétimo mês, começa a festa das Tendas, que dura sete dias, em honra do Senhor.
35 No primeiro dia haverá uma santa assembléia e não fareis nenhum trabalho servil.
36 Durante sete dias oferecereis ao Senhor sacrifícios pelo fogo. No oitavo dia tereis uma santa assembléia, e oferecereis ao Senhor um sacrifício pelo fogo. É dia de reunião festiva: não fareis nenhum trabalho servil.
37 Estas são as solenidades do Senhor, nas quais convocareis santas assembléias para oferecer ao Senhor sacrifícios pelo fogo, holocaustos e oblações, vítimas e libações, cada qual no dia prescrito'.
Palavra do Senhor.


Salmo - Sl 80,3-4. 5-6ab. 10-11ab (R.2a)

R. Exultai no Senhor nossa força.

3 Cantai salmos, tocai tamborim,*
harpa e lira suaves tocai!
4 Na lua nova soai a trombeta,*
na lua cheia, na festa solene! R.

5 Porque isto é costume em Jacó,*
um preceito do Deus de Israel;
6a uma lei que foi dada a José,*
6b quando o povo saiu do Egito. R.

10 Em teu meio não exista um deus estranho*
nem adores a um deus desconhecido!
11a Porque eu sou o teu Deus e teu Senhor,*
11b que da terra do Egito te arranquei. R.


Evangelho - Mt 13,54-58

Não é ele o filho do carpinteiro?
Então, de onde lhe vem tudo isso?

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 13,54-58

Naquele tempo:
54 Dirigindo-se para a sua terra, Jesus ensinava na sinagoga, de modo que ficavam admirados. E diziam: 'De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres?
55 Não é ele o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria, e seus irmãos não são Tiago, José, Simão e Judas?
56 E suas irmãs não moram conosco? Então, de onde lhe vem tudo isso?'
57 E ficaram escandalizados por causa dele. Jesus, porém, disse: 'Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!'
58 E Jesus não fez ali muitos milagres, porque eles não tinham fé.
Palavra da Salvação.


Reflexão - Mt 13, 54-58

Nosso olhar está sempre voltado para as realidades aparentes e, normalmente, estas realidades se sobrepõem diante do que é invisível aos nossos olhos. È o caso do Evangelho de hoje, que nos mostra que as pessoas estavam com os olhos fixos nas aparências de Jesus, na sua origem, na sua família e na sua profissão, não sendo capazes de enxergar além e ver nele aquilo que as suas obras tornavam manifesto que é a sua divindade. O resultado disso tudo é que as pessoas do tempo de Jesus não foram capazes de reconhece-lo na sua totalidade, como verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Tudo isso aconteceu por causa da dureza de seus corações.


Fonte: CNBB
PUBLICIDADE
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal