CAPÍTULO III - BÊNÇÃO DOS QUE SÃO ENVIADOS A ANUNCIAR O EVANGELHO - Liturgia Católica Apostólica Romana

www.liturgiacatolica.com
www.liturgiacatolica.com
Ir para o conteúdo

CAPÍTULO III - BÊNÇÃO DOS QUE SÃO ENVIADOS A ANUNCIAR O EVANGELHO

RITUAIS > Bênçãos > PRIMEIRA PARTE


CAPÍTULO III

BÊNÇÃO DOS QUE SÃO ENVIADOS A ANUNCIAR O EVANGELHO

PRELIMINARES

321. Quando  os  discípulos de Cristo clérigos, religiosos, leigos são enviados pelos legítimos pastores da Igreja para anunciar aos povos o mistério da salvação, é muito conveniente fazer uma celebração para implorar a bênção de Deus sobre os novos mensageiros do Evangelho, ao mesmo tempo que se recorda aos fiéis a natureza e a eficácia da actividade missionária e se exortam a acompanhar com as suas orações aqueles que, dotados de um carisma especial, vão partir para anunciar o Evangelho.

322. O rito de bênção pode fazer-se numa apropriada celebração da palavra ou na celebração da eucaristia, como adiante se indica.

323. Estes ritos de bênção aqui propostos podem ser utilizados por um presbítero, que, observando a sua estrutura e os seus elementos principais, adaptará a celebração às circunstâncias dos missionários e do lugar. Se, como é desejável, o Bispo preside à celebração, far-se-ão as devidas adaptações.



I. BÊNÇÃO NUMA CELEBRAÇÃO DA PALAVRA

RITOS INICIAIS

324. Reunido o povo, o celebrante, o diácono e os ministros, cada um com as suas vestes próprias, precedidos pelo cruciferário e pelo diácono que leva  o livro dos Evangelhos, dirigem-se da sacristia para o presbitério através da nave da igreja, enquanto o coro, juntamente com o povo, canta um cântico apropriado.

325. Tomam parte na procissão os que vão ser enviados a anunciar o Evangelho.

326. Terminado o cântico, o celebrante diz:
Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
Todos se benzem e respondem:
Amen.

327. Em seguida o celebrante saúda os presentes, dizendo:
O Senhor, que vos chamou das trevas para a sua luz admirável, esteja convosco.
ou outras palavras apropriadas, de preferência tomadas da Sagrada Escritura. Todos respondem:
Bendito seja Deus, que nos reuniu no amor de Cristo.
ou de outro modo apropriado.

328. Depois o celebrante faz uma breve alocução aos presentes, a fim de  os preparar para a celebração, o que pode fazer com estas palavras ou outras semelhantes:
Irmãos: Ao participardes hoje nesta celebração, renovais de certo modo a maneira de proceder da Igreja primitiva, quando enviava, com grande alegria, alguns dos seus filhos a outros povos, a fim de ajudar os seus irmãos na fé ou aqueles que ainda não conheciam a Cristo.
O envio destes irmãos e irmãs a diversos lugares da terra, moti- vado pelas necessidades da Igreja, torna mais fortes os vínculos que nos unem àquelas Igrejas particulares e que já se manifestam agora na nossa oração.

329. Todos oram em silêncio durante algum tempo. Depois o celebrante continua:
Senhor, que, na vossa misericórdia infinita, quereis que todos os homens se salvem
e cheguem ao conhecimento da verdade,
vede como é grande a vossa messe e enviai-lhe operários, para que seja anunciado o Evangelho a toda a criatura
e o vosso povo, reunido pela palavra da vida
e sustentado pela força dos sacramentos, siga o caminho da salvação e da caridade. Por Nosso Senhor.
R. Amen.

LEITURA DA PALAVRA DE DEUS

330. Em seguida os leitores ou o diácono lêem um ou vários textos da Sagrada Escritura, tomados do Leccionário das Missas para a Evangelização dos Povos15, intercalando os correspondentes salmos responsoriais ou intervalos de silêncio. A leitura do Evangelho terá sempre o lugar principal.

331. Antes de se proclamar o Evangelho, convém apresentar aos fiéis os missionários, do seguinte modo: o diácono anuncia os seus nomes, indicando, se parecer oportuno, o grau ou função que exercem no povo de Deus, bem como a Igreja a que são enviados, p. ex.:
Estes são os nomes dos que a nossa Igreja de N., cumprindo o mandato do Senhor,
envia a anunciar o Evangelho
e acompanha com as suas orações:
N.N., presbítero,
à Igreja que está em N.
N.N., diácono,
à Igreja que está em N.
N.N., religioso (a), do Instituto N., à Igreja que está em N.
N.N., leigo,
para o serviço da Igreja que está em N.

332. Se entre os missionários que vão partir há religiosos ou religiosas, então, em lugar do diácono, o superior ou superiora do Instituto anuncia aos fiéis os seus nomes e funções, bem como o lugar aonde são enviados, p.ex.:
Do nosso Instituto N.,
movidos pela caridade e confirmados pela obediência, partem para anunciar o Evangelho:
O Irmão N., (p.ex., catequista), com destino a N. A Irmã N., (p. ex., enfermeira), com destino a N.

333. Os missionários respondem ao chamamento do diácono com palavras apropriadas (p. ex., Presente) ou com algum sinal (p. ex., levantando-se).

334. Depois da leitura do Evangelho, o celebrante faz a homilia, na qual explica as leituras bíblicas e o significado da celebração.

335. Terminada a homilia, os missionários levantam-se, aproximam-se do celebrante e colocam-se de tal modo que o rito possa ser visto por todos.

PRECES

336. Segue-se a oração comum, na qual todos oram por aqueles que vão partir e pelas Igrejas a que são enviados. Das invocações aqui propostas, o celebrante pode escolher as que parecerem mais apropriadas ou acrescentar outras mais directamente relacionadas com as circunstâncias especiais do momento e dos missionários.
Oremos a Deus, Pai de infinita misericórdia, que enviou ao mundo o seu Filho, ungindo-O com o Espírito Santo, para evangelizar os pobres, salvar os corações atribulados e consolar os aflitos. Digamos com hu- milde confiança:
R. Louvado sejais, Senhor, pelos povos de toda a terra.

Deus misericordioso e eterno,
que quereis salvar todos os homens
e conduzi-los ao conhecimento da verdade, nós Vos damos graças,
porque enviastes ao mundo o vosso Filho Unigénito como Mestre e Redentor da humanidade. R.

Vós que enviastes Jesus Cristo
para evangelizar os pobres, anunciar a liberdade aos prisioneiros e proclamar o tempo da graça
implantai a vossa Igreja em todo o mundo, para que leve a luz de Cristo
aos homens de todas as línguas e nações. R.

Vós que chamais todos os homens das trevas à vossa luz admirável, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho
no céu, na terra e nos abismos,
fazei de nós verdadeiras testemunhas do Evangelho da salvação. R.

Dai-nos um coração recto e sincero para escutar fielmente a vossa palavra
e fazei crescer em nós e no mundo
os verdadeiros frutos da santidade. R.


ORAÇÃO DE BÊNÇÃO

337. O celebrante, conforme as circunstâncias, impondo as mãos sobre os missionários, diz a seguir a oração de bênção:

Nós Vos louvamos e bendizemos, Senhor do céu e da terra, que, segundo o desígnio inefável da vossa misericórdia, enviastes ao mundo o vosso Filho,
para libertar da escravidão do pecado todos os homens com o seu precioso sangue
e enriquecê-los com os dons do Espírito Santo; e, depois de ter vencido a morte,
antes de subir para Vós, Pai santo,
enviou os Apóstolos como mensageiros do seu amor e do seu poder, para anunciarem a todos os povos o Evangelho da vida
e purificarem os crentes na água da salvação.
Olhai benignamente, Senhor, para estes vossos servos, que, fortalecidos com o sinal da cruz,
enviamos como mensageiros da salvação e da paz.
Dirigi, Senhor, os seus passos com a vossa mão protectora e fortalecei o seu espírito com o poder da vossa graça,
para que nunca sejam vencidos pelo cansaço ou o desânimo.

Fazei que ressoem na sua voz as palavras de Cristo, para que os seus ouvintes sejam atraídos
à obediência do Evangelho.
Derramai nos seus corações o vosso Espírito Santo, de modo que, fazendo-se tudo para todos, conduzam para Vós muitos fiéis,
que Vos louvem sem cessar na santa Igreja. Por Nosso Senhor.
R. Amen.

ENTREGA DA CRUZ

338. Então o celebrante abençoa as cruzes, dizendo:
Senhor, Pai santo,
que fizestes da cruz do vosso Filho
a fonte de todas as bênçãos e a origem de todas as graças, dignai-Vos abençoar estas cruzes
e fazei que todos aqueles que as apresentam aos homens se esforcem por se ir transformando
à imagem do vosso Filho.
Que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
R. Amen.

339. Em seguida, os missionários, um por um, aproximam-se do celebrante, que lhes entrega a cruz, dizendo:

Recebe este sinal do amor de Cristo e da nossa fé. Anuncia Cristo crucificado,
poder e sabedoria de Deus. O missionário responde: Amen.
Recebe a cruz, beija-a e volta ao seu lugar.

340. Conforme as circunstâncias, o celebrante pronuncia a fórmula da entrega da cruz uma só vez para todos, dizendo em voz alta:
Recebei este sinal do amor de Cristo e da nossa fé. Anunciai Cristo crucificado,
poder e sabedoria de Deus.
ou
Recebei a cruz, sinal do amor de Cristo e da missão a que a Igreja vos destina.
Os missionários, respondem todos ao mesmo tempo:
Amen.
E aproximam-se do celebrante para receberem a cruz.


CONCLUSÃO

341. Então o celebrante conclui o rito de bênção. Depois do convite Inclinai-vos para receber a bênção ou outro equivalente, diz, de braços abertos, voltado para os missionários:
Deus, que em Cristo manifestou a sua verdade e o seu amor, faça de vós mensageiros do Evangelho
e testemunhas do seu amor no mundo.
R. Amen.
Nosso Senhor Jesus Cristo,
que prometeu estar presente na sua Igreja até ao fim dos tempos, dirija os vossos passos e confirme as vossas palavras.
R. Amen.
O Espírito do Senhor esteja sobre vós,
para que, percorrendo os caminhos do mundo,
possais evangelizar os pobres e salvar os corações atribulados.
R. Amen.

Por fim o celebrante abençoa todo o povo:
E a vós todos aqui presentes, abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai, Filho + e Espírito Santo.
R. Amen.

342. É conveniente terminar a celebração com um cântico apropriado.


15 Cf. Missale Romanum, Ordo Lectionum Missae, nn. 872-876.



II. BÊNÇÃO UNIDA À CELEBRAÇÃO DA MISSA


343. Quando a bênção se dá dentro da celebração da Missa, na escolha do formulário da Missa devem-se observar as normas seguintes:
a) nas solenidades e nos domingos do Advento, Quaresma e Páscoa, diz-se a Missa do dia;
b) nos domingos do Tempo do Natal e do Tempo Comum, nas festas e nas memórias, diz-se a Missa do dia ou a Missa para a Evangelização dos Povos.

344. Se o Bispo preside à celebração, fazem-se as devidas adaptações.

345. Na Liturgia da Palavra faz-se tudo na forma habitual, excepto o seguinte:
a) segundo as rubricas, as leituras são tomadas da Missa do dia ou da Missa para a Evangelização dos Povos16;
b) antes da proclamação do Evangelho, é muito conveniente apresentar os mis- sionários aos fiéis, na forma adiante descrita.

346. Depois da segunda leitura, o diácono anuncia os nomes daqueles que vão partir, indicando, se parecer oportuno, o grau ou função que exercem no povo de Deus, bem como a Igreja a que são enviados, p. ex.:
Estes são os nomes dos que a nossa Igreja de N., cumprindo o mandato do Senhor,
envia a anunciar o Evangelho
e acompanha com as suas orações:
N.N., presbítero,
à Igreja que está em N.
N.N., diácono,
à Igreja que está em N.
N.N., religioso (a) do Instituto de N., à Igreja que está em N.
N.N., leigo,
para o serviço da Igreja que está em N.

347. Se entre os missionários que vão partir há religiosos ou religiosas, então, em lugar do diácono, o superior ou superiora do Instituto anuncia aos fiéis os seus nomes e funções, bem como o lugar aonde são enviados, p.ex.:
Do nosso Instituto N.,
movidos pela caridade e confirmados pela obediência, partem para anunciar o Evangelho:
O Irmão N., (p.ex. catequista), com destino a N. A Irmã N., (p. ex. enfermeira), com destino a N.

348. Os missionários respondem ao chamamento do diácono com palavras apropriadas (p.ex., Presente) ou com algum sinal (p. ex., levantando-se).

349. A leitura do Evangelho é feita por um dos diáconos ou presbíteros que vão partir em missão.
Enquanto se canta o versículo da aclamação ao Evangelho, o celebrante impõe incenso; em seguida, omitindo a bênção habitual do diácono, diz em voz alta ao diácono e a todos os missionários:

O Evangelho que se proclama nesta casa de Deus anunciai-o às nações por palavras e obras,
para que lhes seja revelado o mistério de Cristo e da Igreja.
ou outras palavras apropriadas.
O diácono e os missionários que vão partir respondem:
Amen.

350. Depois da leitura do Evangelho, o celebrante faz a homilia, na qual explica as leituras bíblicas e o significado da celebração.

ORAÇÃO DE BÊNÇÃO

351. Depois da homilia, todos se levantam. Os missionários que vão partir aproximam-se do celebrante e colocam-se diante dele, de modo que o rito possa ser visto por todos.
O celebrante, impondo as mãos sobre os missionários, diz:

Nós Vos louvamos e bendizemos, Senhor do céu e da terra, que, segundo o desígnio inefável da vossa misericórdia, enviastes ao mundo o vosso Filho,
para libertar da escravidão do pecado todos os homens com o seu precioso sangue
e enriquecê-los com os dons do Espírito Santo; e, depois de ter vencido a morte,
antes de subir para Vós, Pai santo,
enviou os Apóstolos como mensageiros do seu amor e do seu poder, para anunciarem a todos os povos o Evangelho da vida
e purificarem os crentes na água da salvação.
Olhai benignamente, Senhor, para estes vossos servos, que, fortalecidos com o sinal da cruz,
enviamos como mensageiros da salvação e da paz.
Dirigi, Senhor, os seus passos com a vossa mão protectora e fortalecei o seu espírito com o poder da vossa graça,
para que nunca sejam vencidos pelo cansaço ou o desânimo. Fazei que ressoem na sua voz as palavras de Cristo,
para que os seus ouvintes sejam atraídos à obediência do Evangelho.
Derramai nos seus corações o vosso Espírito Santo, de modo que, fazendo-se tudo para todos, conduzam para Vós muitos fiéis,
que Vos louvem sem cessar na santa Igreja. Por Nosso Senhor.
R. Amen.

ENTREGA DA CRUZ

352. Então o celebrante abençoa as cruzes, dizendo:
Senhor, Pai santo,
que fizestes da cruz do vosso Filho
a fonte de todas as bênçãos e a origem de todas as graças, dignai-Vos abençoar estas cruzes
e fazei que todos aqueles que as apresentam aos homens se esforcem por se ir transformando
à imagem do vosso Filho.
Que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
R. Amen.

353. Em seguida, os missionários, um por um, aproximam-se do celebrante, que lhes entrega a cruz, dizendo:
Recebe este sinal do amor de Cristo e da nossa fé. Anuncia Cristo crucificado,
poder e sabedoria de Deus. O missionário responde: Amen.
Recebe a cruz, beija-a e volta ao seu lugar.

354. Conforme as circunstâncias, o celebrante pronuncia a fórmula da entrega da cruz uma só vez para todos, dizendo em voz alta:
Recebei este sinal do amor de Cristo e da nossa fé. Anunciai Cristo crucificado,
poder e sabedoria de Deus.
ou
Recebei a cruz, sinal do amor de Cristo e da missão a que a Igreja vos destina.
Os missionários, respondem todos ao mesmo tempo:
Amen.
E aproximam-se do celebrante para receberem a cruz.

355. Entretanto pode cantar-se:
Ant. Anunciai a todos os povos a salvação de Deus. com o Salmo 95(96) ou outro cântico apropriado. Salmo 95(96)
Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor, terra inteira.
Cantai ao Senhor, bendizei o seu nome, anunciai dia a dia a sua salvação. Ant.

Publicai entre as nações a sua glória, em todos os povos as suas maravilhas. O Senhor é grande e digno de louvor,
mais temível que todos os deuses. Ant.

Os deuses dos gentios não passam de ídolos, foi o Senhor quem fez os céus.
Diante d’Ele, a honra e a majestade,
no seu templo, o poder e o esplendor. Ant.

Dai ao Senhor, ó família dos povos, dai ao Senhor glória e poder.
Dai ao Senhor a glória do seu nome,
levai-Lhe oferendas e entrai nos seus átrios. Ant.

Adorai o Senhor com ornamentos sagrados, trema diante d’Ele a terra inteira.
Dizei entre as nações: «O Senhor é Rei».
Sustenta o mundo e ele não vacila, governa os povos com equidade. Ant.

Alegrem-se os céus, exulte a terra, ressoe o mar e tudo o que ele contém, exultem os campos e quanto neles existe, alegrem-se as árvores da floresta, Ant.

diante do Senhor que vem, que vem para julgar a terra: julgará o mundo com justiça
e os povos com fidelidade. Ant.

356. Segue-se a oração comum, na qual todos oram pelos missionários que vão partir e pela Igreja a que são enviados.

357. Enquanto se canta o cântico do ofertório, alguns dos missionários que vão partir levam oportunamente ao altar o pão, o vinho e a água para a celebração da Missa.

358. Se parecer oportuno, depois de o celebrante dizer A paz do Senhor esteja sempre convosco, os missionários aproximam-se do altar um por um para receberem do celebrante o sinal da paz.

359. Depois de o celebrante ter comungado o Corpo e o Sangue do Senhor, os missionários que vão partir aproximam-se do altar e comungam sob as duas espécies.

CONCLUSÃO

360. Se a Missa não tem bênção solene própria, pode utilizar-se a fórmula seguinte. O celebrante diz:
O Senhor esteja convosco.
O povo responde:
Ele está no meio de nós.
Em seguida o diácono, conforme as circunstâncias, convida o povo a receber a bênção, dizendo estas palavras ou outras semelhantes:
Inclinai-vos para receber a bênção.
Então o celebrante, com as mãos estendidas sobre os missionários, abençoa-os dizendo:
Deus, que em Cristo manifestou a sua verdade e o seu amor, faça de vós mensageiros do Evangelho
e testemunhas do seu amor no mundo.
R. Amen.
Nosso Senhor Jesus Cristo,
que prometeu estar presente na sua Igreja até o fim dos tempos, dirija os vossos passos e confirme as vossas palavras.
R. Amen.

O Espírito do Senhor esteja sobre vós,
para que, percorrendo os caminhos do mundo,
possais evangelizar os pobres e salvar os corações atribulados.
R. Amen.

Por fim o celebrante abençoa todo o povo:

E a vós todos aqui presentes, abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai, Filho + e Espírito Santo.
R. Amen.



16 Missale Romanum, Ordo Lectionum Missae, nn. 872-876.



PUBLICIDADE
Voltar para o conteúdo