ENFERMOS - RITUAL ROMANO - CAPÍTULO VI - Liturgia Católica Apostólica Romana

Ir para o conteúdo

ENFERMOS - RITUAL ROMANO - CAPÍTULO VI

RITUAIS > ENFERMOS
 

CAPÍTULO VI

 

ENCOMENDAÇÃO DOS MORIBUNDOS

  

138. A caridade para com o próximo impele os cristãos a exprimirem a sua comunhão com o irmão, ou a irmã, que está a morrer, implorando com ele e por ele a misericórdia de Deus e a confiança em Cristo.


139
. As orações, ladainhas, jaculatórias, salmos, leituras da Palavra de Deus, expostas neste capítulo para a encomendação da alma, pretendem sobretudo que o próprio moribundo, se ainda está consciente, aceite a angústia da morte, própria de todo o homem, à semelhança de Cristo padecente e moribundo, e a supere, com a esperança da vida eterna e da ressurreição, apoiado no poder d’Aquele que morrendo destruiu a nossa morte. 

Os que assistem à morte, mesmo que o moribundo já não esteja consciente, tirarão consolação destas preces, compreendendo o sentido pascal da morte cristã. 

Convém que este sentido seja expresso muitas vezes mesmo com um sinal sensível, fazendo na fronte do moribundo o sinal da cruz, com que foi assinalado pela primeira vez no Baptismo.



140
. As preces e as leituras que poderão escolher-se livremente de entre as que vêm a seguir, ou outras, se parecer conveniente, adaptem-se sempre ao estado espiritual e corporal do moribundo e às outras condições do lugar e das pessoas. Rezem-se lentamente e de preferência em voz baixa e com intervalos de silêncio.

Muitas vezes convirá rezar com o moribundo uma ou outra das orações jaculatórias propostas mais adiante, repetindo duas ou três vezes suavemente a mesma, se parecer conveniente. 



141
. Logo depois de o moribundo expirar, é conveniente que todos se ajoelhem e um dos presentes, ou o presbítero ou o diácono, se algum deles estiver presente, reze a oração que se encontra no n. 151. 



142
. Os sacerdotes e os diáconos procurem, quanto possível, assistir por si mesmos aos moribundos, juntamente com os familiares, e rezar as orações da agonia, pois com a sua presença mostram mais claramente que o cristão morre na comunhão da Igreja. Mas quando não possam estar presentes, devido a outros graves deveres pastorais, não se esqueçam de advertir os leigos para que, assistindo aos moribundos, rezem com eles as orações contidas neste capítulo ou outras. Procure-se, por isso, que os leigos tenham à mão tais textos de orações e leituras. 



143
Fórmulas breves 

— Quem nos poderá separar do amor de Cristo? (Rom 8, 35) 

— Quer vivamos, quer morramos, somos do Senhor. (Rom 14, 8) 


— Temos uma morada eterna nos céus. (2 Cor 5, 1) 


— Estaremos sempre com o Senhor. (1 Tes 4, 17) 


— Veremos a Deus como Ele é. (1 Jo 3, 2) 


— Passamos da morte à vida, porque amamos os irmãos. (1 Jo 3, 14)


— Para Vós, Senhor, elevo a minha alma. (Sl 24, 1) 


— O Senhor é minha luz e minha salvação. (Sl 26, 1) 


— Espero vir a contemplar a bondade do Senhor na terra dos vivos. (Sl 26, 13) 


— A minha alma tem sede do Deus vivo. (Sl 41, 3) 


— Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos não temerei nenhum mal. (Sl 22, 4) 


— Vinde, benditos de meu Pai, disse o Senhor Jesus, possuí o reino preparado para vós. (Mt 25, 34) 


— Em verdade te digo: hoje estarás comigo no paraíso, disse o Senhor Jesus. (Lc 23, 43) 


— Na casa de meu Pai há muitas moradas, disse o Senhor Jesus. (Jo 14, 2) 


— Disse o Senhor Jesus: Vou preparar-vos o lugar e voltarei para vos levar. (Jo 14, 2-3) 


— Quero que, onde Eu estou, estejam eles também comigo, disse o Senhor Jesus. (Jo 17, 24) 


— Todo o que acredita no Filho tem a vida eterna. (Jo 6, 40) 


— Nas tuas mãos, Senhor, entrego o meu espírito. (Sl 30, 6a) 


— Senhor Jesus, recebei o meu espírito. (Act 7, 59) 


— Santa Maria, rogai por mim. 

— São José, rogai por mim. 

— Jesus, Maria e José, assisti-me na última agonia.



144
Leituras bíblicas 

Podem tomar-se algumas leituras da Sagrada Escritura de entre as que estão indicadas nos nn. 153-229, ou as seguintes: 



Leituras do Antigo Testamento: 

Is 35, 3-4; 6c-7.10; Job 19, 23-27a. 


Salmos: 

2224, 1.4b-11; 90113, 1-8; 114, 3-5; 120, 1-4; 122



Leituras do Novo Testamento: 

1 Cor 15, 1-4; 1 Jo 4, 16; Ap 21, 1-5a.6-7. 



Evangelhos: 

Mt 25, 1.13; Mc 15, 33-37; Mc 16, 1-8; Lc 22, 39-46; Lc 23, 42-43; Lc 24, 1-8; Jo 6, 37-40; Jo 14, 1-6.23.27. 




145
. Se o moribundo puder suportar uma oração mais longa, deve aconselhar-se que, segundo as circunstâncias, os presentes orem por ele, rezando as ladainhas dos santos (ou só algumas das invocações delas) com a resposta “rogai por ele”, fazendo menção especial do santo ou santos padroeiros do moribundo ou da família. Também podem rezar-se algumas orações habituais. 


Quando parecer que se aproxima o instante do passamento, um dos presentes pode rezar, conforme as disposições cristãs do moribundo, alguma das orações seguintes:




146
Orações 

Parte deste mundo, alma cristã, 

em nome de Deus Pai omnipotente, que te criou, 

em nome de Jesus Cristo, Filho de Deus vivo, 

que por ti sofreu, 

em nome do Espírito Santo, que sobre ti desceu; 

chegues hoje ao lugar da paz 

e a tua morada seja no céu, junto de Deus, 

na companhia da Virgem Maria, Mãe de Deus, 

de São José e de todos os Anjos e Santos de Deus. 



147

Caríssimo irmão, 

encomendo-te a Deus todo-poderoso 

e confio-te ao Criador, 

para que voltes Àquele que te formou do pó da terra. 

Venham ao encontro de ti, que estás a partir desta vida, 

Santa Maria, os Anjos e todos os Santos. 

Liberte-te Cristo, que por ti foi crucificado; 

liberte-te Cristo, que morreu por ti; 

leve-te Cristo, Filho de Deus vivo, para o seu paraíso, 

e reconheça-te o verdadeiro Pastor entre as suas ovelhas. 

Ele te absolva de todos os teus pecados 

e te receba entre os seus eleitos. 

Vejas o teu Redentor face a face 

e gozes da contemplação de Deus 

pelos séculos dos séculos. 

R. Amen.


148

Levai, Senhor, o vosso servo para o lugar da salvação 

que ele espera da vossa misericórdia. 

R. Amen. 


Livrai, Senhor, o vosso servo 

de todas as tribulações. 

R. Amen. 


Livrai, Senhor, o vosso servo, 

como livrastes Noé do dilúvio. 

R. Amen. 


Livrai, Senhor, o vosso servo, 

como livrastes Abraão de Ur dos Caldeus. 

R. Amen. 


Livrai, Senhor, o vosso servo, 

como livrastes Job dos seus sofrimentos. 

R. Amen. 


Livrai, Senhor, o vosso servo, 

como livrastes Moisés do poder do Faraó. 

R. Amen.


Livrai, Senhor, o vosso servo, 

como livrastes Daniel da cova dos leões. 

R. Amen. 


Livrai, Senhor o vosso servo, 

como livrastes os três jovens 

da fornalha ardente e do poder de um rei iníquo. 

R. Amen. 


Livrai, Senhor o vosso servo, 

como livrastes Susana da condenação. 

R. Amen. 


Livrai, Senhor o vosso servo, 

como livrastes David 

das mãos do rei Saúl e das mãos de Golias. 

R. Amen. 


Livrai, Senhor o vosso servo, 

como livrastes Pedro e Paulo das prisões. 

R. Amen. 

Livrai, Senhor o vosso servo 

por Jesus Cristo, nosso Salvador, 

que por nós sofreu morte dolorosa 

e nos ofereceu a vida eterna. 

R. Amen.



149

Senhor Jesus Cristo, Salvador do mundo, 

nós Vos encomendamos o vosso servo N.

e Vos rogamos que recebais benignamente 

na alegria do vosso reino 

aquele por quem misericordiosamente descestes à terra. 

Pois embora tenha pecado, 

não negou mas acreditou no Pai, 

no Filho e no Espírito Santo 

e adorou fielmente a Deus, Criador de todas as coisas. 



150
. Pode também dizer-se ou cantar-se a antífona: 

Salve Rainha, Mãe de misericórdia, 

vida, doçura e esperança nossa, salve. 

A Vós bradamos os degredados filhos de Eva, 

a Vós suspiramos, gemendo e chorando 

neste vale de lágrimas. 

Eia, pois, advogada nossa, 

esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei. 

E depois deste desterro nos mostrai Jesus, 

bendito fruto do vosso ventre. 

Ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria. 



151
Imediatamente depois de expirar, diga-se: 

Vinde em seu auxílio, Santos de Deus. 

Vinde ao seu encontro, Anjos do Senhor.


R. 
Recebei a sua alma, 

levai-a à presença do Senhor. 


V. 
Receba-te Cristo, que te chamou, 

conduzam-te os Anjos ao Paraíso. 


R. 
Recebei a sua alma, 

levai-a à presença do Senhor. 


V. 
Dai-lhe, Senhor, o eterno descanso, 

nos esplendores da luz perpétua. 


R. 
Recebei a sua alma, 

levai-a à presença do Senhor. 


Oremos. 

Nós Vos encomendamos, Senhor, 

a alma do vosso servo N.

a fim de que, morto para este mundo, viva para Vós; 

na vossa misericórdia infinita, perdoai-lhe os pecados 

que pela sua fragilidade humana tiver cometido. 

Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, 

que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo. 


R. 
Amen. 



Ou outra oração, tirada do Ritual das Exéquias. 

    

PUBLICIDADE
Voltar para o conteúdo