II. BÊNÇÃO ANUAL DAS FAMÍLIAS NAS SUAS PRÓPRIAS CASAS - Liturgia Católica Apostólica Romana

www.liturgiacatolica.com
www.liturgiacatolica.com
Ir para o conteúdo

II. BÊNÇÃO ANUAL DAS FAMÍLIAS NAS SUAS PRÓPRIAS CASAS

RITUAIS > Bênçãos > PRIMEIRA PARTE
 

II. BÊNÇÃO ANUAL DAS FAMÍLIAS NAS SUAS PRÓPRIAS CASAS
 
 
PRELIMINARES
 
 
68. Obedecendo ao mandato de Cristo, os pastores de almas, entre os principais deveres da sua acção pastoral, devem ser solícitos em visitar as famílias cristãs e anunciar-lhes a paz de Cristo, que recomendou aos seus discípulos: «Quando entrardes em alguma casa, dizei primeiro: ‘Paz a esta casa’» (Lc 10, 5).
 
 
69. Portanto os párocos e seus auxiliares considerem como sua incumbência o costume de visitar todos os anos as famílias que vivem no território da sua jurisdição, principalmente no Tempo Pascal. É de facto uma ocasião privilegiada para exercer a sua missão pastoral de modo mais eficaz, na medida em que é uma oportunidade para conhecer cada uma das famílias.
 
 
70. Dado que a bênção anual das famílias nas suas casas se destina directamente à própria família, esta bênção exige a presença dos seus membros.
 
 
71. Não se deve fazer a bênção das casas sem a presença dos que nelas moram.

 
72. Este rito de bênção pode ser utilizado por um sacerdote ou um diácono.

 
73. Normalmente esta bênção celebra-se em cada uma das casas. Contudo, por motivos pastorais e para fortalecer a união das famílias que vivem no mesmo edifício ou lugar, pode ser oportuno celebrar-se simultaneamente para várias famílias reunidas num lugar determinado. Neste caso, a oração diz-se no plural.

 
74. O celebrante, respeitando sempre as partes principais da celebração,  isto é, a leitura da palavra de Deus e a oração de bênção, adaptará os diversos elementos às diversas circunstâncias do lugar e das famílias. Além disso, no decorrer da celebração deve atender com diligente caridade a todos os presentes, especialmente às crianças, idosos e enfermos.
 
 

 
CELEBRAÇÃO DA BÊNÇÃO
 
 
RITOS INICIAIS
 
 
75. Reunida a família, o celebrante saúda os presentes, dizendo:
 
 
Paz a esta casa e a todos os que nela habitam.
 
 
ou
 
 
A graça e a paz de Deus, nosso Pai, e de Jesus Cristo, nosso Senhor, estejam convosco.
 
ou outras palavras apropriadas, de preferência tomadas da Sagrada Escritura. Todos respondem:
 
Bendito seja Deus, que nos reuniu no amor de Cristo.
 
ou de outro modo apropriado.
 
 
76. Então o pároco ou o seu auxiliar no ministério prepara os presentes para receberem a bênção, dizendo estas palavras ou outras semelhantes:
 
 
A visita do pastor espiritual tem como finalidade principal fazer com que, na sua pessoa, o próprio Cristo entre na vossa casa, para vos trazer a paz e a felicidade. Isto realizar-se-á sobretudo pela leitura da palavra de Deus e pela oração da Igreja.
 
Preparemos portanto o nosso espírito para que, nesta celebração, Nosso Senhor Jesus Cristo, pelo seu Espírito Santo, Se digne falar-nos e confortar-nos.
 
Em circunstâncias diversas, a admonição será oportunamente adaptada.
 
 
LEITURA DA PALAVRA DE DEUS
 
 
77. Um dos presentes ou o próprio celebrante um texto da Sagrada Escritura, de preferência tomado de entre os que a seguir se propõem.
 
 
Mt 7, 24-28: «A casa edificada sobre rocha firme»
 
Escutai, irmãos, as palavras do santo Evangelho segundo São Mateus Naquele tempo, dizia Jesus: «Quem ouve as minhas palavras e as põe em
 
prática é como o homem prudente, que edificou a sua casa sobre rocha firme. Caiu a chuva, vieram as torrentes e sopraram os ventos contra aquela casa; mas ela não caiu, porque estava assente sobre a rocha.
 
Mas quem ouve as minhas palavras e não as põe em prática é como o homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as torrentes e sopraram os ventos contra aquela casa; ela desmoronou-se e foi grande a sua ruína».
 
Quando Jesus acabou de falar, as multidões estavam admiradas com a sua doutrina.

 
78. Ou
 
Ef 4, 1-6: «Suportai-vos uns aos outros com caridade»
 
Col 3, 12-25: «Acima de tudo, revesti-vos da caridade»
 
Actos 2, 44-4 7: «Partiam o pão em suas casas, tomando o alimento com alegria e simplicidade de coração»
 
Lc 19, 1-10: «Hoje chegou a salvação a esta casa»
 
Jo 1, 35-39: «Foram ver onde Ele morava e ficaram com Ele»
 
 
79. Conforme as circunstâncias, pode dizer-se ou cantar-se um salmo responsorial ou outro cântico apropriado.
 
 
Salmo 148, 1-2.3-4.12-13 (R. 13a)
 
 
R. Louvai o nome do Senhor.
 
Louvai o Senhor do alto dos céus, louvai-O nas alturas.
 
Louvai-O, todos os seus Anjos,
 
louvai-O, todos os seus exércitos. R.
 
Louvai-O, sol e lua,
 
louvai-O, todos os astros luminosos.
 
Louvai-O, céus dos céus
 
e águas que estais acima dos céus. R.
 
Jovens e donzelas, velhos e crianças, louvem todos o nome do Senhor, porque o seu nome é sublime
 
e exaltou a força do seu povo. R.
 
  
 
ou Salmo 99(100), 2-5 (R. 3c)
 
R. Nós somos o povo de Deus as ovelhas do seu rebanho.
 
ou Salmo 127(128), 1-6a (R. 4)
 
R. Será abençoado quem espera no Senhor.
 
 
80. Conforme as circunstâncias, o celebrante faz uma breve alocução aos presentes, explicando a leitura bíblica, para que compreendam à luz da fé o significado da celebração.
 
 
PRECES
 
 
81. Segue-se a oração comum. Das intercessões que a seguir se propõem, o celebrante pode escolher as que parecerem mais apropriadas ou acrescentar outras mais directamente relacionadas com as circunstâncias do momento ou da família.
 
 
No Tempo Pascal
 
 
Irmãos: Exultando de alegria pascal, invoquemos a Cristo ressuscitado de entre os mortos, a quem o Pai constituiu princípio e fundamento da nossa comunhão, e, movidos pelo Espírito Santo, supliquemos com humilde confiança:
 
R. Ficai connosco, Senhor.
 
Senhor Jesus Cristo,
 
que, aparecendo aos discípulos depois da ressurreição, os alegrastes com o dom da vossa paz,
 
fazei que esta família sinta a vossa presença
 
e se esforce por viver sempre na suavidade da vossa paz. R.
 
Senhor Jesus Cristo,
 
que chegastes à glória da ressurreição através da humilhação da cruz,
 
ensinai todos os membros desta família a fortalecer a sua comunhão na caridade através das dificuldades de cada dia. R.
 
 
Senhor Jesus Cristo,
 
que, estando sentado à mesa com os discípulos, Vos destes a conhecer na fracção do pão,
 
fazei que esta família,
 
participando comunitariamente na celebração da Eucaristia, fortaleça a sua fé e dê testemunho da sua caridade. R.
 
 
Senhor Jesus Cristo,
 
que inundastes com a força do Espírito Santo a casa onde os discípulos estavam reunidos,
 
enviai o Espírito Santo sobre esta família,
 
para que goze sempre da sua paz e da sua alegria. R.
 
 
82. Ou
 
 
Fora do Tempo Pascal
 
 
Irmãos: Ao implorarmos a bênção do Senhor sobre a vossa família, recordemos que a união familiar se pode conservar e aumentar quando tem a sua origem no Senhor. Invoquemo-l’O, dizendo:
 
R. Santificai-nos, Senhor.
 
 
Senhor Jesus Cristo,
 
por quem toda a construção cresce com o poder do Espírito divino, até formar um templo santo,
 
sede para estes vossos servos, reunidos no vosso amor, o fundamento sólido de toda a sua vida. R.
 
 
Senhor Jesus Cristo,
 
que, vivendo com Maria e José, santificastes a vida doméstica, ensinai a todos os que moram nesta casa
 
a virtude da mútua dedicação,
 
pela qual se ordena e fortalece a vida familiar. R.
 
 
Senhor Jesus Cristo,
 
que, pelos sacramentos da iniciação cristã, elevastes a dignidade da família natural para formar parte da família espiritual,
 
fazei que estes vossos servos cumpram fielmente a sua missão na Igreja. R.
 

Senhor Jesus Cristo,
 
que reunistes a Igreja nascente no Cenáculo com Maria, vossa Mãe,
 
fazei que esta Igreja doméstica aprenda com a Virgem Santa Maria
 
a conservar em seu coração as vossas palavras, a perseverar assiduamente na oração
 
e a dedicar-se aos outros com a sua vida e os seus bens. R.
 

83. Terminadas as preces, o celebrante convida todos os presentes a recitar ou cantar a oração do Senhor, dizendo estas palavras ou outras semelhantes:
 
Porque nos chamamos e somos realmente filhos de Deus, digamos confiadamente a oração que Jesus nos ensinou:
 
Todos:
 
Pai nosso, que estais nos céus...
 
 
ORAÇÃO DE BÊNÇÃO
 
 
84. Então o celebrante, com as mãos estendidas sobre os membros da família, diz em seguida:
 
 

  
 
No Tempo Pascal
 
 

 
Bendito sejais, Senhor,
 
que, na Páscoa do Antigo Testamento conservastes intactas as casas do povo eleito pela aspersão do sangue do cordeiro
 
e nos sacramentos da nova aliança nos destes o vosso Filho Jesus Cristo,
 
por nós crucificado e ressuscitado de entre os mortos, como verdadeiro Cordeiro pascal,
 
para proteger os fiéis das ciladas do inimigo
 
e enriquecê-los com a graça do Espírito Santo.
 
Derramai a vossa + bênção sobre esta família e esta casa, para que a alegria da caridade
 
inunde os corações dos que nela habitam. Por Nosso Senhor
 
R. Amen.
 
 
 
85. Ou
 

 
Fora do Tempo Pascal
 
 

Deus eterno,
 
que não deixais de atender com amor de Pai às necessidades de todos os homens, derramai a abundância da vossa + bênção sobre esta família e esta casa
 
e santificai com a vossa graça os que nela moram, para que, seguindo fielmente os vossos mandamentos,
 
dêem frutos de boas obras durante o tempo da vida presente e cheguem um dia à sua morada no Céu.
 
Por Nosso Senhor.
 
 
R. Amen.
 
 
86. Ou
 
 
Bendito sejais, Deus, nosso Pai,
 
pela casa que em vossa misericórdia destinastes para ser residência desta família.
 
Concedei aos seus habitantes os dons do Espírito Santo e fazei que manifestem, pela sua caridade diligente,
 
a graça da vossa + bênção,
 
de modo que todos os que frequentarem esta casa encontrem sempre nela
 
o amor e a paz que só Vós podeis dar. Por Nosso Senhor.
 
 
R. Amen.
 
 
87. Depois da oração de bênção, o celebrante asperge com água benta as pessoas presentes e a casa, dizendo, conforme as circunstâncias:
 
 
Esta água nos recorde o nosso Baptismo em Cristo, que nos remiu com a sua morte e ressurreição.
 
 
R. Amen.
 
 
CONCLUSÃO
 
 
88. O celebrante conclui, dizendo:
 
 
Deus vos encha de esperança e alegria na prática da vossa fé. A paz de Cristo habite em vossos corações.
 
O Espírito Santo derrame sobre vós os seus dons.
 
Todos respondem:
 
 
Amen.
 
89. É conveniente terminar a celebração com um cântico apropriado.
 
   
PUBLICIDADE
App Liturgia Católica
Voltar para o conteúdo