VIII. Bênção das pessoas idosas que não saem de casa - Liturgia Católica Apostólica Romana

www.liturgiacatolica.com
www.liturgiacatolica.com
Ir para o conteúdo

VIII. Bênção das pessoas idosas que não saem de casa

RITUAIS > Bênçãos > PRIMEIRA PARTE

VIII. BÊNÇÃO DAS PESSOAS IDOSAS QUE NÃO SAEM DE CASA

PRELIMINARES

258. As pessoas idosas cujas forças se vão debilitando, tanto as que vivem em casa como as que vivem em alguma residência hospitalar, precisam da ajuda fraterna, para que se sintam perfeitamente integradas na família e na comu- nidade eclesial. A intenção desta bênção é conseguir que os idosos recebam dos irmãos o testemunho de respeito e agradecimento, quando damos graças a Deus, juntamente com eles, pelos benefícios que d’Ele receberam e pelas boas obras que com o seu auxílio praticaram.

259. Este rito de bênção pode ser utilizado por um sacerdote ou um diácono ou também por um leigo, que poderão adaptar a celebração às circunstâncias de cada caso, conservando sempre a sua estrutura e os seus elementos principais.

260. A bênção das pessoas idosas pode ser celebrada também, seleccionando alguns elementos deste rito, como se indica adiante nos nn. 277-285 (pp. 102-105), ou ao fim da Missa, ou quando se leva a Santíssima Eucaristia aos idosos que não podem sair de casa, inclusivamente quando é levada por um acólito ou outro ministro extraordinário da Sagrada Comunhão, delegado para o efeito segundo as normas do direito, utilizando os leigos os ritos e textos para eles previstos.

261. Para abençoar um ou dois idosos noutra celebração de bênção, pode utilizar-se a fórmula breve indicada no n. 289 (pag. 106).



A. CELEBRAÇÃO DA BÊNÇÃO

RITOS INICIAIS

262. Reunida a família ou a comunidade dos fiéis, o ministro diz:
Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
Todos se benzem e respondem:
Amen.

263. Em seguida o ministro, se é sacerdote ou diácono, saúda os idosos e todos os presentes, dizendo:

A graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai
e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco.
ou outras palavras apropriadas, de preferência tomadas da Sagrada Escritura. Todos respondem:
Bendito seja Deus, que nos reuniu no amor de Cristo.
ou de outro modo apropriado.

264. Se o ministro é leigo, saúda os idosos e todos os presentes, dizendo:

Irmãos, bendigamos a Jesus Cristo Nosso Senhor,
que, ao ser recebido no templo pelo santo velho Simeão, enquanto o ancião O levava em seus braços,
era Ele que guiava o venerável ancião.
Todos respondem:

Bendito seja Deus para sempre.
ou

Amen.

265. Então o ministro prepara os idosos e todos os presentes para receberem a bênção, dizendo estas palavras ou outras semelhantes:

O tempo da velhice é um dom de Deus, que deve ser recebido com gratidão. Estes nossos irmãos, já avançados em idade, podem transmitir-
-nos as riquezas da experiência e da vida cristã. Em união com eles dêmos graças a Deus e imploremos para eles o auxílio divino, para que se fortaleça a sua esperança e confiança.

LEITURA DA PALAVRA DE DEUS

266. O leitor ou um dos presentes ou o próprio ministro lê um texto da Sagrada Escritura.
Lc 2, 25-32.36-38: «Esperando a consolação de Israel»
Escutai, irmãos, as palavras do santo Evangelho segundo São Lucas
Vivia em Jerusalém um homem chamado Simeão, homem justo e piedoso, que esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava nele. O Espírito Santo revelara-lhe que não morreria antes de ver o Messias do Senhor; e veio ao templo, movido pelo Espírito.
Quando os pais trouxeram o Menino Jesus para cumprirem as prescrições da lei no que lhes dizia respeito, Simeão recebeu-O em seus braços e bendisse a Deus, exclamando:
«Agora, Senhor, segundo a vossa palavra, deixareis ir em paz o vosso servo, porque os meus olhos viram a vossa salvação, que pusestes ao alcance de todos os povos: luz para se revelar às nações e glória de Israel vosso povo».
Havia também uma profetiza, Ana, filha de Fanuel, da tribo de Áser. Era de idade muito avançada e tinha vivido casada sete anos após o tempo de donzela e viúva até aos oitenta e quatro. Não se afastava do templo, servindo a Deus noite e dia, com jejuns e orações.
Estando presente na mesma ocasião, começou também a louvar a Deus e a falar acerca do Menino a todos os que esperavam a libertação de Israel.
(Pode ler-se apenas parte do texto precedente, conforme os casos)

267. Ou
Sir 3, 2-18: «Ampara a velhice de teu pai»

Sir 25, 6-8.13-16: «A glória dos anciãos é o temor de Deus»

Sab 4, 8-9: «A verdadeira longevidade é a vida sem mancha»

Filip 3, 20-4, 1: «Esperamos o Salvador»


268. Conforme as circunstâncias, pode dizer-se ou cantar-se um salmo responsorial ou outro cântico apropriado.

Salmo 70 (71), 1-6.14-15 (R. 12b)
R. Senhor, vinde em meu auxílio.
Em Vós, Senhor, me refugio, jamais serei confundido.
Pela vossa justiça, socorrei-me e salvai-me, prestai-me ouvidos e libertai-me. R.
Sede para mim um refúgio seguro, a fortaleza da minha salvação.
Meu Deus, salvai-me do pecador, do homem iníquo e violento. R.
Sois Vós, Senhor, a minha esperança, a minha confiança desde a juventude.
Desde o nascimento Vós me sustentais,
desde o seio materno sois o meu protector. R.
Em Vós hei-de esperar sempre
e multiplicarei os vossos louvores.
A minha boca proclamará a vossa justiça, dia após dia a vossa infinita salvação. R.
ou Salmo 125(126), 1-6(R. 3)
R. Grandes coisas fez por nós o Senhor, por isso exultamos de alegria.
Apêndice, pag. 702.

269. O ministro, conforme as circunstâncias, faz uma breve alocução aos presentes, explicando a leitura bíblica, para que compreendam à luz da fé o significado da celebração.

PRECES

270. Segue-se a oração comum. Das intercessões que aqui se propõem, o ministro pode escolher as que parecerem mais apropriadas ou acrescentar outras mais directamente relacionadas com as circunstâncias especiais dos idosos ou do momento.
Invoquemos a Deus Pai todo-poderoso, que em todas as idades nos renova e fortalece na juventude da sua graça, e supliquemos com toda a confiança:

R. Não nos abandoneis, Senhor.

Deus de misericórdia,
que revelastes o vosso Filho a Simeão e Ana, que esperavam a redenção de Israel,
fazei que estes vossos servos
vejam com os olhos da fé a vossa salvação
e se alegrem com a consolação do Espírito Santo. R.

Vós que por meio do vosso Filho prometestes alívio e paz a todos os que no mundo estão cansados e oprimidos,
fazei que estes vossos servos
levem com paciência todos os dias a sua cruz. R.

Vós que a todos mostrais a vossa infinita bondade e generosidade, fazei que a estes vossos servos
nunca lhes falte a devida consolação e afabilidade dos seus parentes e amigos. R.

Vós que a ninguém privais do vosso amor paterno
e amais com especial predilecção os mais humildes, fazei que na sociedade humana
seja verdadeiramente reconhecida e firmemente respeitada a dignidade dos anciãos. R.

ORAÇÃO DE BÊNÇÃO

271. Então o ministro se é sacerdote ou diácono, estendendo as mãos sobre
todos os idosos simultaneamente ou sobre cada um deles individualmente, ou traçando o sinal da cruz sobre a fronte de cada um; se é leigo, de mãos juntas
diz a oração de bênção:
Senhor nosso Deus,
que concedestes a estes vossos servos, entre as vicissitudes da sua vida,
a graça de esperar sempre em Vós e de saborear e ver como sois bom,
nós Vos bendizemos pelos dons abundantes que de Vós receberam ao longo de tantos anos
e para eles pedimos a vossa contínua protecção,

para que vivam na alegria da juventude de espírito sempre renovada, gozem de vigor corporal
e procurem, com o seu modo de proceder, dar a todos um belo testemunho.
Por Nosso Senhor.
R. Amen.

272. Ou
Deus eterno e omnipotente,
em quem vivemos, nos movemos e existimos, nós Vos bendizemos e damos graças
porque concedestes a estes vossos servos longos anos de vida com a perseverança na fé e nas boas obras.
Concedei-lhes agora, Senhor,
que, confortados pela caridade fraterna,
sejam alegres na saúde e não se deprimam na doença, de modo que, fortalecidos pela vossa bênção, dediquem confiadamente ao vosso louvor
o tempo da sua velhice. Por Nosso Senhor.
R. Amen.

273. Ou
Senhor Deus omnipotente,
que concedestes a estes vossos servos uma longa velhice, derramai sobre eles a vossa bênção
e fazei-lhes sentir a vossa presença consoladora, de modo que, ao recordar o passado,
sejam confortados pela vossa misericórdia e, ao olhar para o futuro,
perseverem firmemente na santa esperança. Por Nosso Senhor.
R. Amen.

CONCLUSÃO

274. Então o celebrante, se é sacerdote ou diácono, diz, voltado para os idosos, o convite Inclinai-vos para receber a bênção ou outro semelhante e, de braços abertos, acrescenta:
Nosso Senhor Jesus Cristo
esteja sempre convosco e vos defenda.
R. Amen.
Nosso Senhor Jesus Cristo guie todos os vossos passos e vos proteja de todos os perigos.
R. Amen.
Nosso Senhor Jesus Cristo vele por vós, vos conserve e vos abençoe.
R. Amen.
Por fim abençoa todos os presentes, dizendo:
E a vós todos aqui presentes, abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai, Filho + e Espírito Santo.
R. Amen.

275. Se o ministro é leigo, implora a bênção do Senhor sobre os idosos e todos os presentes, benzendo-se e dizendo:
O Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal
e nos conduza à vida eterna.
R. Amen.

276. É conveniente terminar a celebração com um cântico apropriado.




B. BÊNÇÃO UNIDA À CELEBRAÇÃO DA MISSA

277. Terminada a homilia, faz-se a oração comum, na forma habitual da celebração da Missa ou na forma aqui proposta. Das intercessões que a seguir se propõem, o celebrante pode escolher as que parecerem mais apropriadas ou acrescentar outras mais directamente relacionadas com as circunstâncias especiais dos idosos ou do momento, mas sem omitir nunca a oração de bênção que adiante se apresenta.

Invoquemos a Deus Pai todo-poderoso, que em todas as idades nos renova e fortalece na juventude da sua graça, e supliquemos com toda a confiança:

R. Não nos abandoneis, Senhor.

Deus de misericórdia,
que revelastes o vosso Filho a Simeão e Ana, que esperavam a redenção de Israel,
fazei que estes vossos servos
vejam com os olhos da fé a vossa salvação
e se alegrem com o consolação do Espírito Santo. R.

Vós que por meio do vosso Filho prometestes alívio e paz a todos os que no mundo estão cansados e oprimidos,
fazei que estes vossos servos
levem com paciência todos os dias a sua cruz. R.

Vós que a todos mostrais a vossa infinita bondade e generosidade, fazei que a estes vossos servos
nunca lhes falte a devida consolação e afabilidade dos seus parentes e amigos. R.

Vós que a ninguém privais do vosso amor paterno
e amais com especial predilecção os mais humildes, fazei que na sociedade humana
seja verdadeiramente reconhecida e firmemente respeitada a dignidade dos anciãos. R.

278. Então o celebrante, estendendo as mãos sobre os idosos, diz a oração de bênção:
Senhor nosso Deus,
que concedestes a estes vossos servos, entre as vicissitudes da sua vida,
a graça de esperar sempre em Vós
e de saborear e ver como sois bom,
nós Vos bendizemos pelos dons abundantes que de Vós receberam ao longo de tantos anos
e para eles pedimos a vossa contínua protecção,
para que vivam na alegria da juventude de espírito sempre renovada, gozem de vigor corporal
e procurem, com o seu modo de proceder, dar a todos um belo testemunho.
Por Nosso Senhor.
R. Amen.

279. Se parecer oportuno, no fim da Missa, depois do convite Inclinai-vos para receber a bênção ou outro semelhante, o celebrante, estendendo as mãos sobre os idosos, diz a bênção ou a oração e todos respondem:
Amen.

BÊNÇÃO

280. O celebrante, voltado para os idosos, diz:
Nosso Senhor Jesus Cristo
esteja sempre convosco e vos defenda.
R. Amen.

Nosso Senhor Jesus Cristo guie todos os vossos passos e vos proteja de todos os perigos.
R. Amen.
Nosso Senhor Jesus Cristo vele por vós, vos conserve e vos abençoe.
R. Amen.
Por fim abençoa todos os presentes, dizendo:
E a vós todos aqui presentes, abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai, Filho + e Espírito Santo.
R. Amen.

ORAÇÃO

281. O celebrante, com as mãos estendidas sobre os idosos, diz:
Deus eterno e omnipotente,
em quem vivemos, nos movemos e existimos, nós Vos bendizemos e damos graças
porque concedestes a estes vossos servos longos anos de vida com a perseverança na fé e nas boas obras.
Concedei-lhes agora, Senhor,
que, confortados pela caridade fraterna,
sejam alegres na saúde e não se deprimam na doença, de modo que, fortalecidos pela vossa bênção, dediquem confiadamente ao vosso louvor
o tempo da sua velhice. Por Nosso Senhor.
R. Amen.

282. Depois da oração, o sacerdote acrescenta:
A bênção de Deus todo-poderoso, Pai, Filho + e Espírito Santo,
desça sobre vós e permaneça convosco para sempre.
R. Amen.



C. BÊNÇÃO UNIDA À COMUNHÃO FORA DA MISSA

283. Se a bênção se dá numa celebração da palavra mais extensa, pode escolher-se um texto da Sagrada Escritura entre os que se propõem nos nn. 266-268.

284. A oração comum pode fazer-se na forma acima proposta no n. 270 (pag. 98) e conclui-se sempre, se o ministro é sacerdote ou diácono, com a oração seguinte, rezada com as mãos estendidas sobre os idosos:
Senhor nosso Deus,
que concedestes a estes vossos servos, entre as vicissitudes da sua vida,
a graça de esperar sempre em Vós
e de saborear e ver como sois bom,
nós Vos bendizemos pelos dons abundantes que de Vós receberam ao longo de tantos anos
e para eles pedimos a vossa contínua protecção,
para que vivam na alegria da juventude de espírito sempre renovada, gozem de vigor corporal
e procurem, com o seu modo de proceder, dar a todos um belo testemunho.
Por Nosso Senhor.

R. Amen.

285. Se o ministro é leigo, diz, de mãos juntas, a seguinte oração de bênção:
Senhor Deus omnipotente,
que concedestes a estes vossos servos uma longa velhice, derramai sobre eles a vossa bênção
e fazei-lhes sentir a vossa presença consoladora, de modo que, ao recordar o passado,
sejam confortados pela vossa misericórdia e, ao olhar para o futuro,
perseverem firmemente na santa esperança. Por Nosso Senhor.

R. Amen.





D. FORMA BREVE

286. O ministro diz:
V. O nosso auxílio vem do Senhor.
Todos respondem:
R. Que fez o céu e a terra.

287. Um dos presentes ou o próprio ministro lê um texto da Sagrada Escritura, p. ex.:

Sab 4, 8
A velhice respeitável não consiste numa vida longa, nem se mede pelo número dos anos. Para o homem, o valor dos cabelos brancos está na prudência e a verdadeira longevidade é a vida sem mancha.

Tg 5, 7-8
Tende paciência, irmãos, até à vinda do Senhor. Vede como o agricultor espera pacientemente o precioso fruto da terra, aguardando a chuva temporã e a tardia. Sede pacientes, vós também.

Lc 9, 23
Jesus dizia a todos: «Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz todos os dias e siga-Me».

288. Em  seguida o ministro se  é  sacerdote  ou  diácono,  conforme as circunstâncias, estendendo as mãos sobre a pessoa idosa ou traçando o sinal da cruz sobre a sua fronte; se é leigo, de mãos juntas diz a oração de bênção:
Senhor Deus omnipotente,
que concedestes a este vosso servo uma longa velhice, derramai sobre ele a vossa bênção
e fazei-lhe sentir a vossa presença consoladora, de modo que, ao recordar o passado,
seja confortado pela vossa misericórdia e, ao olhar para o futuro,
persevere firmemente na santa esperança. Por Nosso Senhor.
R. Amen.

FÓRMULA BREVE

289. Conforme as circunstâncias, o sacerdote ou diácono pode utilizar a seguinte fórmula breve de bênção:
Desça sobre ti (vós) a bênção de Deus todo-poderoso, que a ninguém abandona
e até à velhice e aos cabelos brancos
vela pelos seus filhos com solicitude paterna.
R. Amen.



PUBLICIDADE
App Liturgia Católica
Voltar para o conteúdo