6ª-feira da 3ª Semana da Páscoa - Liturgia Diária da Igreja Católica Apostólica Romana

"Fiat Voluntas Tua"
Ir para o conteúdo
MISSAL > LITURGIA DO DIA
Liturgia Diária
Antífona de Entrada
O Cordeiro que foi imolado é digno de receber o poder, a divindade, a sabedoria, a força e a honra, aleluia! (Ap. 5,12)



Oração do dia
Ó Deus todo-poderoso, concedei que, conhecendo a ressurreição do Senhor e a graça que ela nos trouxe, ressuscitemos para uma vida nova pelo amor do vosso Espírito. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.



1ª Leitura – At 9,1-20
Esse homem é o instrumento que escolhi
para anunciar o meu nome aos pagãos.
Leitura dos Atos dos Apóstolos 9,1-20
Naqueles dias:
1Saulo só respirava ameaças e morte
contra os discípulos do Senhor.
Ele apresentou-se ao Sumo sacerdote
2e pediu-lhe cartas de recomendação
para as sinagogas de Damasco,
a fim de levar presos para Jerusalém
os homens e mulheres
que encontrasse seguindo o Caminho.
3Durante a viagem, quando já estava perto de Damasco,
Saulo, de repente,
viu-se cercado por uma luz que vinha do céu.
4Caindo por terra, ele ouviu uma voz que lhe dizia:
‘Saulo, Saulo, por que me persegues?’
5Saulo perguntou: ‘Quem és tu, Senhor?’
A voz respondeu:
‘Eu sou Jesus, a quem tu estás perseguindo.
6Agora, levanta-te, entra na cidade,
e ali te será dito o que deves fazer.’
7Os homens que acompanhavam Saulo
ficaram mudos de espanto,
porque ouviam a voz, mas não viam ninguém.
8Saulo levantou-se do chão
e abriu os olhos, mas não conseguia ver nada.
Então pegaram nele pela mão e levaram-no para Damasco.
9Saulo ficou três dias sem poder ver.
E não comeu nem bebeu.
10Em Damasco, havia um discípulo chamado Ananias.
O Senhor o chamou numa visão: ‘Ananias!’
E Ananias respondeu: ‘Aqui estou, Senhor!’
11O Senhor lhe disse:
‘Levanta-te, vai à rua que se chama Direita
e procura, na casa de Judas,
por um homem de Tarso chamado Saulo.
Ele está rezando.’
12E, numa visão, Saulo contemplou
um homem chamado Ananias, entrando e impondo-lhe as mãos
para que recuperasse a vista.
13Ananias respondeu:
‘Senhor, já ouvi muitos falarem desse homem
e do mal que fez aos teus fiéis
que estão em Jerusalém.
14E aqui em Damasco ele tem plenos poderes,
recebidos dos sumos sacerdotes,
para prender todos os que invocam o teu nome.’
15Mas o Senhor disse a Ananias:
‘Vai, porque esse homem é um instrumento que escolhi
para anunciar o meu nome aos pagãos,
aos reis e ao povo de Israel.
16Eu vou mostrar-lhe
quanto ele deve sofrer por minha causa.’
17Então Ananias saiu, entrou na casa,
e impôs as mãos sobre Saulo, dizendo:
‘Saulo, meu irmão, o Senhor Jesus,
que te apareceu quando vinhas no caminho,
ele me mandou aqui para que tu recuperes a vista
e fiques cheio do Espírito Santo.’
18Imediatamente caíram dos olhos de Saulo como que escamas
e ele recuperou a vista.
Em seguida, Saulo levantou-se e foi batizado.
19Tendo tomado alimento, sentiu-se reconfortado.
Saulo passou alguns dias com os discípulos de Damasco,
20e logo começou a pregar nas sinagogas,
afirmando que Jesus é o Filho de Deus.
Palavra do Senhor.



Salmo – Sl 116, 1. 2 (R. Mc 16,15)
R. Ide, por todo o mundo, e a todos pregai o Evangelho.
Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia
1Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes,*
povos todos, festejai-o!
R.

2Pois comprovado é seu amor para conosco,*
para sempre ele é fiel!
R.



Evangelho – Jo 6,52-59
A minha carne é verdadeira comida
e o meu sangue, verdadeira bebida.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6,52-59
Naquele tempo:
52Os judeus discutiam entre si, dizendo:
‘Como é que ele pode dar a sua carne a comer?’
53Então Jesus disse:
‘Em verdade, em verdade vos digo,
se não comerdes a carne do Filho do Homem
e não beberdes o seu sangue,
não tereis a vida em vós.
54Quem come a minha carne
e bebe o meu sangue
tem a vida eterna,
e eu o ressuscitarei no último dia.
55Porque a minha carne é verdadeira comida
e o meu sangue, verdadeira bebida.
56Quem come a minha carne
e bebe o meu sangue
permanece em mim e eu nele.
57Como o Pai, que vive, me enviou,
e eu vivo por causa do Pai,
assim o que me come
viverá por causa de mim.
58Este é o pão que desceu do céu.
Não é como aquele que os vossos pais comeram.
Eles morreram.
Aquele que come este pão viverá para sempre.’
59Assim falou Jesus,
ensinando na sinagoga em Cafarnaum.
Palavra da Salvação.



Antífona da Comunhão
Aquele que foi crucificado ressurgiu dos mortos e nos redimiu, aleluia!



Depois da Comunhão
Tendo participado do sacramento do Corpo e do Sangue do vosso Filho, nós vos suplicamos, ó Deus, que nos faça crescer em caridade a eucaristia que ele nos mandou realizar em sua memória. Por Cristo, nosso Senhor.
Pesquisa rápida
Reflexão - Padre João Luís Fávero - Campinas (SP)
“Senhor, fazei dar fruto o trabalho de nossas mãos!”
Mt 13, 54-58

Com o objetivo de dar um protetor aos trabalhadores e um sentido cristão ao dia do trabalho, o Papa Pio XII instituiu, em 1955, a memória litúrgica de São José Operário. Inseriu esta festa no contexto da festa dos trabalhadores, comemorada universalmente no dia de hoje.

Nesta memória se reconhece a dignidade do trabalho humano, como dever e aperfeiçoamento do homem, exercício benéfico de seu domínio sobre o mundo criado, serviço à comunidade, prolongamento da obra do Criador e como contribuição ao plano de salvação (GS 34).

Ninguém deve envergonhar-se de ganhar o pão com o seu trabalho honesto. O trabalho honesto que sai de suas mãos tem a marca da mesma dignidade. Não há trabalho maior e nem mais importante. Importante é a pessoa que trabalha. O que se faz para o bem do próximo, é feito para a gloria de Deus. Jesus fez bem todas as coisas. E aquilo que possuímos deve ser fruto do trabalho honesto e esforçado que realizamos.  

Hoje se valoriza as coisas excepcionais, o Evangelho de hoje coloca outra perspectiva: a valorização do cotidiano, o ordinário. Essa perspectiva refere-se a José e ao próprio Jesus, auxiliar de carpinteiro.

De José o Evangelho fala pouco, mas declara que é um homem justo, isto é, um homem maduro, cheio de sabedoria e graça. Jesus passa trinta anos de sua vida no anonimato de uma pobre oficina em Nazaré, no trabalho diário.

Há os que confundem santidade com milagres, outros imaginam que a vida cristã é feita de grandes lances. Nossa fé passa pelas coisas de cada dia, unificadas pelo projeto que assumimos e realizamos. Através das frestas do cotidiano, vemos e anunciamos o Senhor.  

O dia de hoje é uma oportunidade para refletir sobre a situação da vida dos trabalhadores e suas dificuldades em nosso dia a dia: o desemprego que atinge milhões de trabalhadores, os baixos salários, as condições precárias de trabalho e situação da previdência que se apresenta como ameaça aos trabalhadores diante dos interesses econômicos.

Rezemos pelos trabalhadores, seu emprego e sua dignidade. E que o trabalho que realizamos continue contribuindo com a obra da Criação e sirva para a nossa caridade fraterna, o sustento de todos e a prática da justiça.  

Deus abençoe você e sua família.

Pe. João Luiz
FEVEREIRO
D
S
T
Q
Q
S
S






1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
- DEDICADO À VIRGEM MARIA -
Voltar para o conteúdo