07 DE JULHO - DOMINGO - Liturgia Diária da Igreja Católica Apostólica Romana

"extra Ecclesiam nulla salus"
Ir para o conteúdo
MISSAL > LITURGIA DO DIA
VATICAN NEWS
Pesquisa rápida
Liturgia Diária

14º DOMINGO - TEMPO COMUM


1a Leitura
Is 66,10-14c

Eis que farei correr para ela a paz como um rio.

Leitura do Livro do Profeta Isaías 66, 10-14c

10 Alegrai-vos com Jerusalém e exultai com ela todos vós que a amais; tomai parte em seu júbilo, todos vós que choráveis por ela,
11 para poderdes sugar e saciar-vos ao seio de sua consolação, e aleitar-vos e deliciar-vos aos úberes de sua glória.
12 Isto diz o Senhor: 'Eis que farei correr para ela a paz como um rio e a glória das nações como torrente transbordante. Sereis amamentados, carregados ao colo e acariciados sobre os joelhos.
13 Como uma mãe que acaricia o filho, assim eu vos consolarei; e sereis consolados em Jerusalém.
14c Tudo isso haveis de ver e o vosso coração exultará, e o vosso vigor se renovará como a relva do campo. A mão do Senhor se manifestará em favor de seus servos.
Palavra do Senhor.


Salmo
Sl 65,1-3a.4-5.6-7a.16.20 (R.1)

R. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira.

1Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, 2cantai salmos a seu nome glorioso, /
dai a Deus a mais sublime louvação!
3aDizei a Deus: 'Como são grandes vossas obras!
R.

4Toda a terra vos adore com respeito /
e proclame o louvor de vosso nome!'
5Vinde ver todas as obras do Senhor: /
seus prodígios estupendos entre os homens!
R.

6O mar ele mudou em terra firme, /
e passaram pelo rio a pé enxuto. /
Exultemos de alegria no Senhor!
7Ele domina para sempre com poder!
R.

16Todos vós que a Deus temeis, vinde escutar: /
vou contar-vos todo bem que ele me fez!
20Bendito seja o Senhor Deus que me escutou, /
não rejeitou minha oração e meu clamor, /
nem afastou longe de mim o seu amor!
R.


2a Leitura
Gl 6,14-18

Trago em meu corpo as marcas de Jesus.

Leitura da Carta de São Paulo aos Gálatas 6, 14-18

Irmãos:
14 Quanto a mim, que eu me glorie somente da cruz do Senhor nosso, Jesus Cristo. Por ele, o mundo está crucificado para mim, como eu estou crucificado para o mundo.
15 Pois nem a circuncisão, nem a incircuncisão têm valor; o que conta é a criação nova.
16 E para todos os que seguirem esta norma, como para o Israel de Deus, paz e misericórdia.
17​​​​​​ Doravante, que ninguém me moleste, pois eu trago em meu corpo as marcas de Jesus.
18 Irmãos, a graça do Senhor nosso, Jesus Cristo, esteja convosco. Amém!
Palavra do Senhor.


Evangelho
Lc 10,1-12.17-20

A vossa paz repousará sobre ele.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 10, 1-12. 17-20

Naquele tempo:
1 O Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir.
2 E dizia-lhes: 'A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita.
3 Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos.
4 Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias, e não cumprimenteis ninguém pelo caminho!
5 Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: `A paz esteja nesta casa!'6Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós.
7 Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa.
8 Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem,
9 curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: 'O Reino de Deus está próximo de vós. '
10 Mas, quando entrardes numa cidade e não fordes bem recebidos, saindo pelas ruas, dizei:
11 Até a poeira de vossa cidade, que se apegou aos nossos pés, sacudimos contra vós. No entanto, sabei que o Reino de Deus está próximo!
12 Eu vos digo que, naquele dia, Sodoma será tratada com menos rigor do que essa cidade.
17 Os setenta e dois voltaram muito contentes, dizendo: 'Senhor, até os demônios nos obedeceram por causa do teu nome. '
18 Jesus respondeu: 'Eu vi Satanás cair do céu, como um relâmpago.
19 Eu vos dei o poder de pisar em cima de cobras e escorpiões e sobre toda a força do inimigo. E nada vos poderá fazer mal.
20 Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos obedecem. Antes, ficai alegres porque vossos nomes estão escritos no céu. '
Palavra da Salvação.





Fonte: Youtube RS21
Reflexão - Padre João Luís Fávero - Campinas (SP)

“Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira.”
Lc 10, 1-12.17-20

O evangelista Lucas apresenta para nós a “missão dos setenta e dois discípulos”, essa é a missão de toda a comunidade.

A Igreja não tem fronteira e não se limita a nenhum povo; precisa se fazer presente em toda a parte onde o Reino, o projeto de Jesus, ainda não se estabeleceu. O Reino é o objetivo da ação da Igreja, tornar Jesus conhecido e Amado, ensinando o caminho do Evangelho.

Os discípulos são enviados dois a dois para mostrar que a missão não é iniciativa individual, mas obra da comunidade. Ninguém evangeliza sozinho! Os discípulos vão a frente do Senhor preparando o caminho. Preparando o coração para acolher o amor de Deus.

O evangelista apresenta o perfil dos missionários. Dentre outras características:
são pessoas que rezam pedem ao Senhor da Messe que envie operários para o trabalho, sabem que o trabalho não se faz sozinho;
devem estar dispostas a enfrentar os desafios da missão, pois há lobos ferozes querendo destruir o projeto de Jesus e seus anunciadores;
são pessoas despojadas, que não visam lucros e sabem que o resultado da missão não depende dos bens materiais e de grandes investimentos;
são pessoas promotoras da paz, dom que o Cristo Jesus nos dá por excelência. Anunciar a paz não é mera formalidade, mas anúncio do Reino que está chegando.

A missão dos setenta e dois discípulos, lembra a missão dos leigos e leigas, chamados a evangelizar no vasto e complicado campo das realidades terrenas. Eles são enviados a partir do Batismo. Somos discípulos e missionários.  

É grande a dignidade dos trabalhadores da messe. É grande a alegria de ter o nome inscrito nos céus, como os colaboradores do Pai! Os apóstolos do Reino. Tudo o mais é decorrência desta experiência fundamental.

Rezemos: Senhor, conte comigo para fazer o seu amor libertador chegar à humanidade carente de salvação. “Eis-me aqui Senhor. Para fazer a tua vontade e viver o teu amor”.

Deus abençoe você e sua família.
Reflexão - Frei Rinaldo Stecanella, osm
Bom dia. Deus abençoe sua vida nessa fascinante jornada de domingo que já chegou. É o DIA DO SENHOR por excelência. Está chegando o merecido descanso, não é mesmo? Repor as energias faz bem!!! Cuidar do Corpo é um ato de amor e respeito para com Deus! Mas também não podemos descuidar da Família e de Deus. Portanto, convide sua família e escolham um bom horário para participar de sua comunidade. A ORAÇÃO em família fortalece os laços de amor e união e também é alimento para a alma. Jesus no Evangelho de hoje vai nos pedir que rezemos pela Messe. Ela é grande e os trabalhadores são pouco. Vamos assumir juntos esse compromisso de rezar e trabalhar pela Messe?


Ó Senhor, de coração eu vos dou graças. Eu agradeço vosso amor, vossa verdade,/ porque fizestes muito mais que prometestes. (Salmo 137)


Com carinho e bençãos
Frei Rinaldo, osm
SÃO VILIBALDO
ORAÇÃO
Ó Deus, que aos vossos pastores associastes São Vilibaldo, animado de ardente caridade e da fé que vence o mundo, dai-nos, por sua intercessão, perseverar na caridade e na fé, para participarmos de sua glória. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.”

PAPA FRANCISCO
MEDITAÇÕES MATUTINAS NA SANTA MISSA CELEBRADA
NA CAPELA DA DOMUS SANCTAE MARTHAE

Cristãos disfarçados



Publicado no L’Osservatore Romano, ed. em português, n. 12 de 20 de Março de 2014

O cristão que pensa que se pode salvar sozinho “é um hipócrita”, um “cristão disfarçado”. A quaresma é o tempo oportuno para mudar a vida e para se aproximar de Jesus, pedindo perdão, arrependidos e prontos a testemunhar a sua luz e cuidando dos necessitados. Uma nova reflexão quaresmal foi proposta na manhã de terça-feira 18 de Março, pelo Papa Francisco na missa celebrada em Santa Marta.

“O tempo da quaresma — disse na homilia — é oportuno para nos aproximar mais do Senhor”. De resto, explicou, a própria palavra o diz, porque quaresma significa conversão. E precisamente com um convite à conversão, disse comentando o trecho de Isaías (1, 10.16-20), “começa a primeira leitura de hoje. Com efeito, o Senhor chama à conversão; e curiosamente chama duas cidades pecadoras”, Sodoma e Gomorra, às quais dirige o convite: “Convertei-vos, mudai de vida, aproximai-vos do Senhor”. E explicou: “este é o convite da quaresma: são quarenta dias para se aproximar do Senhor, para estar mais perto dele. Porque todos nós temos necessidade de mudar de vida”.

Depois o Papa referiu-se ao trecho do evangelho de Marcos (23, 1-12) acabado de proclamar: “Lemos no evangelho que o Senhor quer uma aproximação verdadeira, sincera. Mas o que fazem os hipócritas? Fingem. Fingem-se bons. Fazem uma pose de imagenzinhas, rezam olhando para o céu, chamando a atenção sobre si, sentem-se mais justos do que os outros, desprezam os outros”. E proclamam-se bons católicos porque conhecem benfeitores, bispos e cardeais.

Esta é — frisou — a hipocrisia. E o Senhor diz não, porque ninguém se deve sentir justo por decisão pessoal. “Todos precisamos de ser justificados — repetiu o bispo de Roma — e o único que nos justifica é Jesus Cristo. Por isso devemos aproximar-nos: para não sermos cristãos disfarçados”.

Mas “qual é o sinal de que estamos na estrada certa? A Escritura diz-nos: defender o oprimido, cuidar do próximo, do doente, do pobre, dos necessitados, dos ignorantes. Esta é a pedra de comparação”. “Os hipócritas não podem fazer isto, porque são tão cheios de si que se tornaram cegos e não olham para os outros”. Mas “se caminharmos um pouco e nos aproximarmos do Senhor, a luz do Pai faz ver tudo isto e ajudamos os irmãos. Este é o sinal da conversão”.

Portanto, a quaresma serve para “mudar a nossa vida, para ajustar a vida e nos aproximar do Senhor”. E a hipocrisia é “o sinal de que nos afastamos do Senhor”. E concluiu: “O Senhor nos dê luz e coragem: luz para conhecer o que acontece dentro de nós e coragem para nos convertermos, nos aproximarmos do Senhor. É bom estar próximo do Senhor”.

Quem sou eu para julgar os outros? É a pergunta que devemos fazer a nós mesmos para dar espaço à misericórdia, a atitude justa para construir a paz entre as pessoas, as nações e dentro de nós. Para sermos mulheres e homens misericordiosos é necessário reconhecer, em primeiro lugar, que somos pecadores e depois alargar o coração até esquecer as ofensas recebidas.

Foi precisamente a misericórdia que o Papa focalizou na homilia da missa celebrada na manhã de segunda-feira, 17 de Março. Referindo-se aos trechos do livro do profeta Daniel (9, 4-10) e do Evangelho de Lucas (6, 36-38), o Santo Padre explicou que “o convite de Jesus à misericórdia é para nos aproximarmos, para imitar melhor o nosso Deus Pai: sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso”. Mas, reconheceu imediatamente o Pontífice, “não é fácil compreender esta atitude da misericórdia, porque nós estamos habituados a descarregar nos outros: tu fizeste isto, agora tens que fazer isto”. Em poucas palavras, “nós julgamos, temos este hábito, e não somos pessoas” que deixam “um pouco de espaço à compreensão e também à misericórdia”.

“Para ser misericordiosos são necessárias duas atitudes” afirmou o Papa. A primeira é “o conhecimento de si mesmos”. Na primeira leitura Daniel narra o momento da oração do povo que se confessa pecador diante de Deus. Assim, explicou o Pontífice ao comentar o trecho, “a justiça de Deus diante do povo arrependido transforma-se em misericórdia e perdão”. E interpela também a nós, convidando-nos a “dar um pouco de espaço a esta atitude”. “Reconhecer que se fez algo contra o Senhor e envergonhar-se diante de Deus é uma graça: a graça de ser pecadores!”.

“O nosso pai Adão — afirmou o Papa — deu-nos um exemplo daquilo que não se deve fazer”. De facto, ele atribui a culpa à mulher por ter comido o fruto e justifica-se dizendo: “Eu não pequei”. Mas o mesmo faz depois Eva, que dá a culpa à serpente. Ao contrário, reiterou o Santo Padre, é importante reconhecer os nossos pecados e ter necessidade do perdão de Deus. Não se devem procurar desculpas e “culpabilizar os outros”. E “se fizermos isto, quantos coisas boas acontecerão: seremos homens!”.

A segunda atitude para ser misericordiosos “é alargar o coração”. Precisamente “a vergonha, o arrependimento, alarga o coração pequenino, egoísta, porque dá espaço a Deus misericordioso para nos perdoar”. Mas que significa alargar o coração? Em primeiro lugar, reconhecer que somos pecadores, sem olhar para o que os outros fizeram. E a pergunta fundamental torna-se esta: “Quem sou eu para julgar isto? Quem sou eu para falar disto? Quem sou eu, que fiz as mesmas coisas ou até pior?”. Com efeito, “se tiveres o coração largo, grande, podes receber mais!”. E um “coração grande não se intromete na vida dos outros, não condena, mas perdoa e esquece”, exactamente como “Deus esqueceu e perdoou os meus pecados”.

Por conseguinte, para sermos misericordiosos é necessário invocar ao Senhor — “pois é uma graça” — e “ter estas duas atitudes: reconhecer os próprios pecados e envergonharmo-nos” e esquecer os pecados e as ofensas dos outros.

Este é, sugeriu o Papa, “o caminho da misericórdia que devemos pedir”. Se “todos nós, os povos, as pessoas, as famílias, os bairros, tivéssemos esta atitude — exclamou — quanta paz haveria no mundo, quanta paz nos nossos corações, porque a misericórdia nos traz a paz!”. E concluiu: “Recordai-vos sempre: quem sou eu para julgar? Envergonhar-se e alargar o coração! Que o Senhor nos conceda esta graça!”.




Oração
Cura-me, Senhor Jesus!

“Jesus, coloca Tuas Mãos benditas, ensanguentadas, chagadas e abertas sobre mim, neste momento. Sinto-me completamente sem forças para prosseguir carregando as minhas cruzes. Preciso que a força e o poder de Tuas Mãos, que suportaram a mais profunda dor ao serem pregadas na Cruz, reergam-me e curem-me agora. Jesus, não peço somente por mim, mas também por todos aqueles que mais amo. Eu preciso desesperadamente de cura física e espiritual, através do toque consolador de Tuas Mãos ensanguentadas e infinitamente poderosas.Eu reconheço, apesar de toda a minha limitação e da infinidade dos meus pecados, que és Deus, Onipotente e Misericordioso, para agir e realizar o impossível. Com fé e total confiança, posso dizer: ‘Mãos ensanguentadas de Jesus, Mãos feridas lá na Cruz!Vêm tocar em mim. Vem, Senhor Jesus!’”





FEVEREIRO
DOM
SEG
TER
QUA
QUI
SEX
SÁB





1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
181920212223
2425262728

- DEDICADO À VIRGEM MARIA -
Voltar para o conteúdo