24º Domingo Do Tempo Comum - Liturgia Diária da Igreja Católica Apostólica Romana

"Fiat Voluntas Tua"
Ir para o conteúdo
MISSAL > LITURGIA DO DIA
Liturgia Diária


1a Leitura - Eclo 27,33-28,9

Perdoa a injustiça cometida por teu próximo;
quando orares teus pecados serão perdoados.

Leitura do Livro do Eclesiástico 27, 33-28, 9
33 O rancor e a raiva são coisas detestáveis, até o pecador procura dominá-las.
28,1 Quem se vingar encontrará a vingança do Senhor, que pedirá severas conta dos seus pecados.
2 Perdoa a injustiça cometida por teu próximo: assim, quando orares, teus pecados serão perdoados.
3 Se alguém guarda raiva contra o outro, como poderá pedir a Deus a cura?
4 Se não tem compaixão do seu semelhante, como poderá pedir perdão dos seus pecados?
5 Se ele, que é um mortal, guarda rancor, quem é que vai alcançar perdão para os seus pecados?
6 Lembra-te do teu fim e deixa de odiar;
7 pensa na destruição e na morte, e persevera nos mandamentos.
8 Pensa nos mandamentos, e não guardes rancor ao teu próximo.
9 Pensa na aliança do Altíssimo, e não leves em conta a falta alheia!
Palavra do Senhor.





Salmo - Sl 102,1-2.3-4.9-10.11-12 (R. 8)

R. O Senhor é bondoso, compassivo e carinhoso.

1 Bendize, ó minha alma, ao Senhor, /
e todo o meu ser, seu santo nome!
2 Bendize, ó minha alma, ao Senhor, /
não te esqueças de nenhum de seus favores!
R.

3 Pois ele te perdoa toda culpa, /
e cura toda a tua enfermidade;
4 da sepultura ele salva a tua vida /
e te cerca de carinho e compaixão.
R.

9 Não fica sempre repetindo as suas queixas, /
nem guarda eternamente o seu rancor.
10 Não nos trata como exigem nossas faltas, /
nem nos pune em proporção às nossas culpas.
R.

11 Quanto os céus por sobre a terra se elevam, /
tanto é grande o seu amor aos que o temem;
12 quanto dista o nascente do poente, /
tanto afasta para longe nossos crimes.
R.





2a Leitura - Rm 14,7-9

Quer vivamos, quer morramos, pertencemos ao Senhor.

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos 14, 7-9
Irmãos:
7 Ninguém dentre nós vive para si mesmo ou morre para si mesmo.
8 Se estamos vivos, é para o Senhor que vivemos; se morremos, é para o Senhor que morremos. Portanto, vivos ou mortos, pertencemos ao Senhor.
9 Cristo morreu e ressuscitou exatamente para isto, para ser o Senhor dos mortos e dos vivos.
Palavra do Senhor.





Evangelho - Mt 18,21-35

Não te digo perdoar até sete vezes, mas até setenta vezes sete.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 18, 21-35
Naquele tempo:
21 Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: 'Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?'
22 Jesus respondeu: 'Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.
23 Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados.
24 Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna.
25 Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida.
26 O empregado, porém, caíu aos pés do patrão, e, prostrado, suplicava: `Dá-me um prazo! e eu te pagarei tudo'.
27 Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida.
28 Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: `Paga o que me deves'.
29 O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: `Dá-me um prazo! e eu te pagarei'.
30 Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia.
31 Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo.
32 Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: `Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste.
33 Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?'
34 O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida.
35 É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão. '
Palavra da Salvação.





SÃO JOÃO CRISÓSTOMO, BISPO E DOUTOR DA IGREJA - SANTORAL





1a Leitura - Ef 4,1-7.11-13

Foi Cristo quem instituiu alguns como apóstolos, outros como evangelistas.

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios 4, 1-7. 11-13
Irmãos:
1 Eu, prisioneiro no Senhor, vos exorto a caminhardes de acordo com a vocação que recebestes:
2 Com toda a humildade e mansidão, suportai-vos uns aos outros com paciência, no amor.
3 Aplicai-vos a guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz.
4 Há um só Corpo e um só Espírito, como também é uma só a esperança à qual fostes chamados.
5 Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo,
6 um só Deus e Pai de todos, que reina sobre todos, age por meio de todos e permanece em todos.
7 Cada um de nós recebeu a graça na medida em que Cristo lha deu.
11 E foi ele quem instituiu alguns como apóstolos, outros como profetas, outros ainda como evangelistas, outros, enfim, como pastores e mestres.
12 Assim, ele capacitou os santos para o ministério, para edificar o corpo de Cristo,
13 até que cheguemos todos juntos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, ao estado do homem perfeito e à estatura de Cristo em sua plenitude.
Palavra do Senhor.





Salmo - Sl 39(40),2 e 4ab.7-8a.8b-9.10 (R. cf 8a e 9a)


R. Eis que venho fazer com prazer a vossa vontade, Senhor!


2 Esperando, esperei no Senhor, /
e inclinando-se, ouviu meu clamor.
4a Canto novo ele pôs em meus lábios,
4b um poema em louvor ao Senho
R.

7 Sacrifício e oblação não quisestes, /
mas abristes, Senhor, meus ouvidos; /
não pedistes ofertas nem vítimas, /
holocaustos por nossos pecados,
8a e então eu vos disse: 'Eis que venho!'
R.

8b Sobre mim está escrito no livro:
9 'Com prazer faço a vossa vontade, /
guardo em meu coração vossa lei!'
R.

10 Boas-novas de vossa justiça /
anunciei numa grande assembléia; /
vós sabeis: não fechei os meus lábios!
R.





Evangelho - Mc 4,1-10.13-20

O semeador saiu a semear.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 4, 1-10. 13-20
Naquele tempo,
1 Jesus começou a ensinar de novo às margens do mar da Galiléia. Uma multidão muito grande se reuniu em volta dele, de modo que Jesus entrou numa barca e se sentou, enquanto a multidão permanecia junto às margens, na praia.
2 Jesus ensinava-lhes muitas coisas em parábolas. E, em seu ensinamento, dizia-lhes:
3 'Escutai! O semeador saiu a semear.
4 Enquanto semeava, uma parte da semente caiu à beira do caminho; vieram os pássaros e a comeram.
5 Outra parte caiu em terreno pedregoso, onde não havia muita terra; brotou logo, porque a terra não era profunda,
6 mas, quando saiu o sol, ela foi queimada; e, como não tinha raiz, secou.
7 Outra parte caiu no meio dos espinhos; os espinhos cresceram, a sufocaram, e ela não deu fruto.
8 Outra parte caiu em terra boa e deu fruto, que foi crescendo e aumentando, chegando a render trinta, sessenta e até cem por um'.
9 E Jesus dizia: 'Quem tem ouvidos para ouvir, ouça'.
10 Quando ficou sozinho, os que estavam com ele, junto com os Doze, perguntaram sobre as parábolas.
13 E lhes disse: 'Vós não compreendeis esta parábola? Então, como compreendereis todas as outras parábolas?
14 O semeador semeia a Palavra.
15 Os que estão à beira do caminho são aqueles nos quais a Palavra foi semeada; logo que a escutam, chega Satanás e tira a Palavra que neles foi semeada.
16 Do mesmo modo, os que receberam a semente em terreno pedregoso, são aqueles que ouvem a Palavra e logo a recebem com alegria,
17 mas não têm raiz em si mesmos, são inconstantes; quando chega uma tribulação ou perseguição, por causa da Palavra, logo desistem.
18 Outros recebem a semente entre os espinhos: são aqueles que ouvem a Palavra;
19 mas quando surgem as preocupações do mundo, a ilusão da riqueza e todos os outros desejos, sufocam a Palavra, e ela não produz fruto.
20 Por fim, aqueles que recebem a semente em terreno bom, são os que ouvem a Palavra, a recebem e dão fruto; um dá trinta, outro sessenta e outro cem por um'.
Palavra da Salvação.




Reflexão - Padre João Luís Fávero - Campinas (SP)
O Senhor é misericordioso e compassivo”.
Mt 18, 21-35


O PERDÃO CURA O CORAÇÃO FERIDO

Sempre desejamos o perdão divino, mas nem sempre estamos dispostos a estendê-lo aos outros. Jesus apresenta várias advertências sobre o perdão, e quer formar os discípulos na compreensão de que o amor fraternal exige a reconciliação. Mostrando o caminho que devemos assumir para corrigir os conflitos que surgem na comunidade e em nossa vida. O amor não pode esfriar entre nós!

As comparações usadas por Jesus, na mensagem de hoje, causam impacto e mexem com a nossa sensibilidade. Mostram como nosso coração humano tem dificuldades para perdoar. O ódio, a vingança e o rancor devastam nosso interior. Perdoar é um gesto de inteligência e amor a nós mesmos, pois nos faz bem, cura as feridas do pecado.

A negação do perdão nos parece a reação mais normal e até a mais digna diante da ofensa, da humilhação ou da injustiça. Mas não é isso que humanizará o mundo: Um casal sem mútua compreensão, se destrói; uma família sem perdão é um inferno; uma sociedade sem compaixão é desumana. Necessitamos do perdão e o imploramos a Deus, e Ele cancela nossas dívidas.

Nós, no entanto, em vez de perdoar, temos vontade de castigar a quem nos ofendeu. Não é assim que Deus age. A parábola mostra que Deus leva a sério este assunto: se não perdoarmos, ficaremos em dívida com Deus.

O mundo não será melhor por ter uma regra clara e forte que nos obriga a perdoar: “se não perdoarmos seremos punidos severamente”. Será melhor se aprendermos a ser misericordiosos!

O desejo de vingança é a resposta mais instintiva diante da ofensa: “Queres ser feliz um momento? Vinga-te. Queres ser feliz para sempre? Perdoa”. Por isso Jesus propõe aprender a perdoar sempre. Quem não sabe perdoar, pode ficar ferido para sempre.

Nunca avançaremos para uma sociedade mais humana, justa e fraterna senão abandonarmos posturas de represálias, ódio e vingança. Por isso a revanche, não é o caminho para se construir a um futuro mais humano. A recusa do perdão é a recusa da fraternidade, querida por Aquele que perdoa a todos nós.

Rezemos: Senhor, Ajuda-nos a viver no amor, dá-nos essa graça, assim será mais fácil perdoar... e combater a violência.

Deus abençoe você e sua família.
Um Abraço,
Pe. João Luiz
Reflexão - Frei Rinaldo Stecanella, osm
Bom dia. Deus abençoe você nesta abençoada jornada de domingo, dia do Senhor. Dia do Senhor, de descanso e de estar mais próximo à família. Viva com intensidade e agradeça a Deus pela semana vivida e se prepare para os novos desafios que virão pela frente...Que Deus abençoe seu dia. Unidos na oração e na comunhão.
Bom e Santo Domingo.

"Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu darei descanso a vocês. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve".
Mateus 11, 28-30

Com carinho e bençãos
Frei Rinaldo, osm
FEVEREIRO
D
S
T
Q
Q
S
S






1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
- DEDICADO À VIRGEM MARIA -
Voltar para o conteúdo