16/01/20 - QUINTA-FEIRA - Liturgia Diária da Igreja Católica Apostólica Romana

"Fiat Voluntas Tua"
Ir para o conteúdo
MISSAL > LITURGIA DO DIA
VATICAN NEWS
Papa Francisco: a oração simples comove Jesus
Pesquisa rápida
Liturgia Diária



1ª SEMANA DO TEMPO COMUM
COR LITÚRGICA: VERDE




1ª Leitura - 1Sm 4,1-11
 
Israel foi derrotado e a arca de Deus foi capturada.

Leitura do Primeiro Livro de Samuel 4,1-11
1 Naqueles dias os filisteus reuniram-se para fazer guerra a Israel. Israel saiu ao encontro dos filisteus, acampando perto de Eben-Ezer, enquanto os filisteus, de sua parte, avançaram até Afec
2 e puseram-se em linha de combate diante de Israel. Travada a batalha, Israel foi derrotado pelos filisteus. E morreram naquele combate, em campo aberto, cerca de quatro mil homens.
3 O povo voltou ao acampamento e os anciãos de Israel disseram: 'Por que fez o Senhor que hoje fôssemos vencidos pelos filisteus? Vamos a Silo buscar a arca da aliança do Senhor, para que ela esteja no meio de nós e nos salve das mãos dos nossos inimigos'.
4 Então o povo mandou trazer de Silo a arca da aliança do Senhor Todo-poderoso, que se senta sobre querubins. Os dois filhos de Eli, Hofni e Finéias, acompanhavam a arca.
5 Quando a arca da aliança do Senhor chegou ao acampamento, todo Israel rompeu num grande clamor, que ressoou por toda a terra.
6 Os filisteus, ouvindo isso, diziam: 'Que gritaria é essa tão grande no campo dos hebreus?' E souberam que a arca do Senhor tinha chegado ao acampamento.
7 Os filisteus tiveram medo e disseram: 'Deus chegou ao acampamento!' E lamentavam-se:
8 'Ai de nós! porque os hebreus não estavam com essa alegria nem ontem nem ante-ontem. Ai de nós! Quem nos salvará da mão desses deuses tão poderosos? Foram eles que afligiram o Egito com toda espécie de pragas no deserto.
9 Mas coragem, filisteus, portai-vos como homens, para que não vos torneis escravos dos hebreus como eles o foram de vós! Sede homens e combatei!'
10 Então os filisteus lançaram-se à luta, Israel foi derrotado e cada um fugiu para a sua tenda. O massacre foi grande: do lado de Israel tombaram trinta mil homens.
11 A arca de Deus foi capturada e morreram os dois filhos de Eli, Hofni e Finéias.
Palavra do Senhor





Salmo - Sl 43, 10-11.14-15.24-25 (R. 26d)
 
R. Libertai-nos, Senhor, pela vossa compaixão!  
10 Porém, agora nos deixastes e humilhastes, *
já não saís com nossas tropas para a guerra!
11 Vós nos fizestes recuar ante o inimigo, *
os adversários nos pilharam à vontade.
R.
 
14 De nós fizestes o escárnio dos vizinhos, *
zombaria e gozação dos que nos cercam;
15 para os pagãos somos motivo de anedotas, *
zombam de nós a sacudir sua cabeça.
R.
 
24 Levantai-vos, ó Senhor, por que dormis? *
Despertai! Não nos deixeis eternamente!
25 Por que nos escondeis a vossa face *
e esqueceis nossa opressão, nossa miséria?
R.





Evangelho - Mc 1,40-45
 
A lepra desapareceu e o homem ficou curado
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 1,40-45
Naquele tempo:
40 Um leproso chegou perto de Jesus, e de joelhos pediu: 'Se queres tens o poder de curar-me'.
41 Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele, e disse: 'Eu quero: fica curado!'
42 No mesmo instante a lepra desapareceu e ele ficou curado.
43 Então Jesus o mandou logo embora,
44 falando com firmeza: 'Não contes nada disso a ninguém! Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!'
45 Ele foi e começou a contar e a divulgar muito o fato. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade: ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte vinham procurá-lo.
Palavra da Salvação.




Reflexão - Padre João Luís Fávero - Campinas (SP)
“Libertai-nos, Senhor, pela vossa compaixão!”
Mc 1, 40-45

Jesus sempre vai ao encontro dos sofrem e estende sua mão. Em seu tempo qualquer doença de pele era chamada de lepra, nem sempre era hanseníase, e nem sempre eram contagiosas, mas a prescrição era o isolamento, até ser curado, o que provocava sofrimento e marginalização. Se o leproso tocou em Jesus, é porque Ele circulava por esses ambientes, sem medo da impureza e da exclusão.

O leproso passa por uma transformação radical: de marginalizado, tornou-se um anunciador das maravilhas realizadas por Jesus, embora advertido a não dizer nada a ninguém.

O encontro com Jesus acende no coração do leproso uma grande esperança, reconheceu Nele a capacidade de tirá-lo daquela situação e purificá-lo. Recorreu e foi atendido: “Se queres, tens o poder de me purificar”. A compaixão moveu Jesus à solidariedade e se dispôs a ajudar: “Eu quero, fica purificado”. Jesus acolhe a todos. O Reino não exclui ninguém da salvação.

O homem curado poderia ter ido para a casa e ficar quieto, conforme a instrução recebida, a Jesus não interessa ser conhecido como um milagreiro. Porém, isso lhe pareceu impossível. Daí ter saído para proclamar e divulgar a misericórdia e a compaixão de Jesus, sua solidariedade com os sofredores.  

A força desse sentimento era grande e brotava espontaneamente do coração daquele homem que foi curado, sem que pudesse contê-la. Tornou-se um Evangelizador! Evangelizava com o testemunho de sua vida.

Rezemos: Senhor, que eu seja capaz de evangelizar, divulgando a sua misericórdia e compaixão que chegam a todos. O amor é o milagre que está ao nosso alcance.

Deus abençoe você e sua família.

Pe. João Luiz
Reflexão - Frei Rinaldo Stecanella, osm
Bom dia. Deus abençoe sua vida nessa jornada de quinta-feira que está começando.
Um dia feliz e repleto da fortaleza de Deus.
O Senhor é minha Rocha e libertador...vai nos dizer o salmo.
Muitas bençãos de Deus para o dia de hoje!

Salmo 18
Eu te amo, ó SENHOR, força minha.
O SENHOR é a minha rocha, a minha cidadela, o meu libertador; o meu Deus, o meu rochedo em que me refugio; o meu escudo, a força da minha salvação, o meu baluarte.
Invoco o SENHOR, digno de ser louvado, e serei salvo dos meus inimigos.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém!

Com carinho e bençãos
Frei Rinaldo, osm
Destaque do dia


Papa: Se morrermos hoje, temos o coração aberto ao Senhor?


O Papa se remontou aos tempos em que Jesus pregava e citou como exemplo os doutores da lei



O Papa Francisco refletiu, em sua homilia da Missa celebrada na Casa Santa Marta, sobre esta frase da Carta aos Hebreus: “Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações”. E desenvolveu a sua homilia em torno de duas palavras: “hoje” e “coração”.

O “hoje” do qual fala a carta é “a nossa vida”, explicou o Papa. Trata-se de um “hoje” “depois do qual não haverá um replay, um amanhã, um hoje no qual recebemos o amor de Deus, a promessa de Deus de encontrá-lo. Um hoje” no qual “podemos renovar a nossa aliança com a fidelidade de Deus”.

“Temos o coração aberto ao Senhor em nosso ‘hoje’?”, perguntou. Por isso, o Pontífice ressaltou a importância de rechaçar a tentação de deixar as coisas para amanhã, “a tentação do amanhã que não haverá”.

Neste sentido, recordou a parábola das dez virgens, cinco das quais não levaram o óleo para as lâmpadas, tiveram que sair para comprar e, quando regressaram, encontraram a porta fechada.

“Eu digo isso não para assustar – explicou Francisco –, mas simplesmente para dizer que a nossa vida é um hoje: hoje ou nunca. Eu penso nisto. O amanhã será o amanhã eterno, sem anoitecer, com o Senhor, para sempre, se eu sou fiel a este hoje. E a pergunta que lhes faço é esta que faz o Espírito Santo: ‘Como eu vivo este hoje?’”.

Sobre a segunda palavra repetida na leitura, “coração”, o Papa disse que com ele “encontramos o Senhor”.

“No nosso coração se joga o ‘hoje’. O nosso coração é aberto ao Senhor? Sempre me impressiona quando encontro uma pessoa idosa – muitas vezes sacerdotes ou freirinhas – que me dizem: ‘Padre, reze pela minha perseverança final’ – ‘Mas viveu bem toda a vida, todos os dias do seu hoje foram no serviço ao Senhor, mas tem medo?’ – ‘Não, não: a minha vida ainda não findou: eu gostaria de vivê-la plenamente, rezar para que o hoje chegue pleno, pleno, com o coração firme na fé, e não destruído pelo pecado, pelos vícios, pela corrupção’”.

“O ‘hoje’ não se repete: é esta a vida. O coração é aberto ao Senhor, não fechado, não endurecido, não sem fé, não perverso, não seduzido pelo pecado”.

O Papa se remontou aos tempos em que Jesus pregava e citou como exemplo os doutores da lei como pessoas que tinham o coração fechado e perseguiam o Senhor. “O Senhor encontrou tantas pessoas que tinham o coração fechado: os doutores da Lei, todos os que o perseguiam, que o colocavam à prova para condená-lo… até que conseguiram”.

O Santo Padre pediu para olhar para nós mesmos e comprovar se estamos abertos ao Senhor: “Voltemos para as nossas casas somente com estas duas perguntas: Como está o meu ‘hoje’? O ocaso pode ser hoje mesmo, neste mesmo dia ou em tantos outros. Mas, como está o meu ‘hoje’ na presença do Senhor?”.

“O meu coração, como está? Está aberto? Está firme na fé? Ele se deixa conduzir pelo amor do Senhor? Com estas duas perguntas peçamos ao Senhor a graça da qual cada um de nós necessita”, completou o Pontífice.

Evangelho comentado pelo Papa em sua homilia:

Marcos 1, 40-45

Naquele tempo, 40um leproso chegou perto de Jesus, e de joelhos pediu: “Se queres, tens o poder de curar-me”. 41Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele, e disse: “Eu quero: fica curado!” 42No mesmo instante, a lepra desapareceu, e ele ficou curado.

43Então Jesus o mandou logo embora, 44falando com firmeza: “Não contes nada disso a ninguém! Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!”

45Ele foi e começou a contar e a divulgar muito o fato. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade: ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte vinham procurá-lo.

Fonte: ACI Digital
- DEDICADO À VIRGEM MARIA -
Voltar para o conteúdo