17/03/20 - TERÇA-FEIRA - Liturgia Diária da Igreja Católica Apostólica Romana

"Fiat Voluntas Tua"
Ir para o conteúdo
MISSAL > LITURGIA DO DIA
Pesquisa rápida
Liturgia Diária
Antífona de Entrada
Eu vos chamo, meu Deus, porque me atendeis; inclinai vosso ouvido e escutai-me. Guardai-me como a pupila dos olhos, à sombra das vossas asas abrigai-me (Sl 16,6.8).




Oração do dia
Ó Deus, que a vossa graça não nos abandone, mas nos faça dedicados ao vosso serviço e aumente sempre em nós os vossos dons. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.




1ª Leitura – Dn 3,25.34-43
De alma contrita e em espírito de humildade, sejamos acolhidos.
Leitura da Profecia de Daniel 3,25.34-43
Naqueles dias:
25 Azarias, parou e, de pé, começou a rezar; abrindo a boca no meio do fogo, disse:
34 ‘Oh! não nos desampares nunca, nós te pedimos, por teu nome, não desfaças tua aliança
35  nem retires de nós tua benevolência, por Abraão, teu amigo, por Isaac, teu servo, e por Israel, teu Santo,
36 aos quais prometeste multiplicar a descendência como estrelas do céu e como areia que está na beira do mar;
37 Senhor, estamos hoje reduzidos ao menor de todos os povos, somos hoje o mais humilde em toda a terra, por causa de nossos pecados;
38 neste tempo estamos sem chefes, sem profetas, sem guia, não há holocausto nem sacrifício, não há oblação nem incenso, não há um lugar para oferecermos em tua presença as primícias, e encontrarmos benevolência;
39 mas, de alma contrita e em espírito de humildade, sejamos acolhidos, e como nos holocaustos de carneiros e touros
40 e como nos sacrifícios de milhares de cordeiros gordos, assim se efetue hoje nosso sacrifício em tua presença, e tu faças que nós te sigamos até ao fim; não se sentirá frustrado quem põe em ti sua confiança.
41 De agora em diante, queremos, de todo o coração, seguir-te, temer-te, buscar tua face;
42 não nos deixes confundidos, mas trata-nos segundo a tua clemência e segundo a tua imensa misericórdia;
43 liberta-nos com o poder de tuas maravilhas e torna teu nome glorificado, Senhor’.
Palavra do Senhor.




Salmo – Sl 24, 4bc-5ab. 6-7. 8-9 (R. 6a)

R. Recordai, Senhor, a vossa compaixão!


4b Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos,*
4c e fazei-me conhecer a vossa estrada!
5a Vossa verdade me oriente e me conduza,*
5b porque sois o Deus da minha salvação.
R.


6 Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura *
e a vossa compaixão que são eternas!
7b De mim lembrai-vos, porque sois misericórdia*
7c e sois bondade sem limites, ó Senhor!
R.


8 O Senhor é piedade e retidão,*
e reconduz ao bom caminho os pecadores.
9 Ele dirige os humildes na justiça,*
e aos pobres ele ensina o seu caminho.
R.



Evangelho – Mt 18,21-35

Não te digo perdoar até sete vezes,
mas até setenta vezes sete.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 18,21-35
Naquele tempo:
21 Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: ‘Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?’
22 Jesus respondeu: ‘Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.
23 Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados.
24 Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna.
25 Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida.
26 O empregado, porém, caíu aos pés do patrão, e, prostrado, suplicava: `Dá-me um prazo! e eu te pagarei tudo’.
27 Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida.
28 Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: `Paga o que me deves’.
29 O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: `Dá-me um prazo! e eu te pagarei’.
30 Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia.
31 Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo.
32 Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: `Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste.
33 Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’
34 O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida.
35 É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão.’
Palavra da Salvação.


Antífona da Comunhão
Quem habitará, Senhor, em vossa casa ou repousará no vosso monte santo? Aquele que caminha na perfeição e pratica a justiça.




Depois da Comunhão
Ó Deus, que a participação neste mistério nos dê uma vida nova, sendo reconciliação convosco e garantia de vossa proteção. Por Cristo, nosso Senhor.




Reflexão - Padre João Luís Fávero - Campinas (SP)

“Lembra-te, Senhor, do seu amor”.
Mt 18, 21-35

Pedro calcula que sete vezes é uma boa medida para dar o perdão. E diante da pergunta oportuna sobre o perdão, Jesus responde imediatamente, sem deixar margem de dúvidas: é necessário perdoar todas as vezes que alguém nos ofende.

O perdão é um tema que encontramos várias vezes no Evangelho; o ser humano deve sempre perdoar. Jesus mostra que o perdão não tem limites.  Perdoar é uma decisão de fé autentica, acolher o perdão, chama-se conversão.

Para ilustrar o ensinamento novo, Jesus conta a Parábola dos dois devedores. E salienta a desproporção entre o perdão generoso que vem de Deus e o nosso perdão, tantas vezes mesquinho ou dado de má vontade.

A parábola mostra também que Deus nos perdoa quando nós perdoamos. Ele nos concede a possibilidade de escolher o modo de julgamento, a mesma medida usada para julgar é à medida que seremos julgados. E nos ensina que ao perdoar alguém, abrimos o canal para que o perdão de Deus chegue até nós.  

E ainda deixa um detalhe: não se trata de um perdão qualquer, da boca para fora. É necessário perdoar “de coração”. Todos somos pecadores e precisamos do perdão de Deus.

A contrapartida do perdão recebido e usar de misericórdia com os irmãos de caminhada.  Ser perdoado é uma graça; graça maior é saber perdoar o irmão. E ressoa para nós para uma pergunta: Estamos dispostos a oferecer o perdão a quem nos ofendeu?

Rezemos: Senhor, disponha meu coração para perdoar sempre, sem colocar limites no perdão. Assim como sou perdoado pelo Pai, cada vez que me apresento carente de perdão.

Deus abençoe você e sua família.

Pe. João Luiz
FOTO: MONSENHOR JOÃO LUÍS FÁVERO
Reflexão - Frei Rinaldo Stecanella, osm
Bom dia. Deus abençoe sua nova jornada de Terça-feira. Que seja um dia sereno, feliz, iluminado e conduzido pela força do Espírito Santo de Deus. Comece sempre agradecendo a Deus pela vida e por tudo aquilo que está ao seu redor, principalmente a sua família, trabalho, amigos.
Viva com intensidade cada instante desse dia! Deus sempre estará com você!

Isaías 41,10
Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.


Com carinho e bençãos
Frei Rinaldo, osm
FOTO: FREI RINALDO STECANELA
FEVEREIRO
D
S
T
Q
Q
S
S






1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
- DEDICADO À VIRGEM MARIA -
Voltar para o conteúdo