19 DE OUTUBRO - SÁBADO - Liturgia Diária da Igreja Católica Apostólica Romana

"Fiat Voluntas Tua"
Ir para o conteúdo
MISSAL > LITURGIA DO DIA
VATICAN NEWS
Pesquisa rápida
Liturgia Diária


Sábado da 28ª Semana Do Tempo Comum
19 de Outubro de 2019
Cor: Verde





1ª Leitura - Rm 4,13.16-18

Contra toda a humana esperança,
ele firmou-se na esperança.
Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos 4,13.16-18
Irmãos:
13 Não foi por causa da Lei, mas por causa da justiça que vem da fé, que Deus prometeu o mundo como herança a Abraão ou à sua descendência.
16 É em virtude da fé que alguém se torna herdeiro. Logo, a condição de herdeiro é uma graça, um dom gratuito, e a promessa de Deus continua valendo para toda a descendência de Abraão, tanto para a descendência que se apega à Lei, quanto para a que se apóia somente na fé de Abraão, que é o pai de todos nós.
17 Pois está escrito: 'Eu fiz de ti pai de muitos povos'. Ele é pai diante de Deus, porque creu em Deus que vivifica os mortos e faz existir o que antes não existia.
18 Contra toda a humana esperança, ele firmou-se na esperança e na fé. Assim, tornou-se pai de muitos povos, conforme lhe fora dito: 'Assim será a tua posteridade'.
Palavra do Senhor.


Salmo - Sl 104,6-7. 8-9. 42-43 (R. 8a)
 
R. O Senhor se lembra sempre da Aliança.
Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia
 
6 Descendentes de Abraão, seu servidor, *
e filhos de Jacó, seu escolhido,
7 ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, *
vigoram suas leis em toda a terra.
R.
 
8 Ele sempre se recorda da Aliança, *
promulgada a incontáveis gerações;
9 da Aliança que ele fez com Abraão, *
e do seu santo juramento a Isaac.
R.
 
42 Ele lembrou-se de seu santo juramento, *
que fizera a Abraóo, seu servidor.
43 Fez sair com grande júbilo o seu povo, *
e seus eleitos, entre gritos de alegria.
R.


Evangelho - Lc 12,8-12
 
Nessa hora o Espírito Santo vos ensinará
o que deveis dizer.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 12,8-12
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
8 Todo aquele que der testemunho de mim diante dos homens, o Filho do Homem também dará testemunho dele diante dos anjos de Deus.
9 Mas aquele que me renegar diante dos homens, será negado diante dos anjos de Deus.
10 Todo aquele que disser alguma coisa contra o Filho do Homem será perdoado. Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado.
11 Quando vos conduzirem diante das sinagogas, magistrados e autoridades, não fiqueis preocupados como ou com que vos defendereis, ou com o que direis.
12 Pois nessa hora o Espírito Santo vos ensinará o que deveis dizer.'
Palavra da Salvação.




Fonte: Youtube RS21
Reflexão - Frei Rinaldo Stecanella, osm
Bom dia. Deus abençoe você nesta fascinante jornada de sábado, 19 de Outubro.  Experimente, durante todo este dia, o amor e a presença de Deus que está e estará sempre ao seu lado. Vá dizendo para você mesmo neste clima de oração: Deus é o meu escudo e proteção. Ele é a minha força e o meu amparo. Com Ele tudo posso! O meu dia será abençoado porque Deus é a minha benção... Que o Espírito Santo de Deus ilumine todos os seus passos!

Confia ao Senhor as tuas obras,
e teus pensamentos serão estabelecidos.
Provérbios 16,3

Com carinho e bençãos

Frei Rinaldo, osm

ORAÇÃO

SÃO PAULO DA CRUZ, PRESBÍTERO, FUNDADOR DOS PASSIONISTAS


São Paulo da Cruz

Profundo devoto da Sagrada Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, fundador das Congregações dos Padres e das Irmãs Passionistas.


Origens

Paulo Francisco Nasceu em 03 de janeiro de 1694 na cidade de Ovada, que fica na região norte da Itália. Foi o segundo dentre 16 filhos. Filho de família nobre, de boa posição social, embora sem possuir fortuna. Seu pai era comerciante e vivia de viagens. Quando jovem, Paulo passou a ajudar o pai nas viagens. Sua família era católica, piedosa e praticante. Por isso, desde criança, Paulo dedicava-se à leitura de livros sobre a vida dos santos e sentia-se especialmente atraído pela vida dos eremitas. Dedicava-se também à oração e à penitência. Sempre que podia, ia à igreja para rezar o terço. Conseguiu unir vários amigos para meditarem sobre a Paixão de Cristo. Todas essas experiências ajudaram a amadurecer sua vocação para a vida religiosa.


Eremita e pregador

Ao completar dezenove anos, o jovem Paulo foi tocado por uma pregação de seu pároco e  decidiu entregar sua vida totalmente a Deus. Sua família aceitou com alegria. A princípio, ele foi viver como eremita em lugares distantes dos centros urbanos. Mantendo sempre um diálogo com seu bispo, este o autorizou a fazer pregações aos fins de semana. Assim, ele procurava ir aos povoados pregar para o povo e falar sobre a Paixão de Nosso Senhor.


Os frutos apareceram

Muitas conversões aconteceram quando as pessoas ouviam as pregações do “irmão” Paulo Francisco falando tão ardorosamente sobre a Paixão de Cristo. Muitos corações se voltaram para Deus. Ele passou a ser conhecido como um missionário, um porta voz de Deus. Dessa maneira, foi amadurecendo em seu coração o sonho de iniciar uma comunidade religiosa dedicada a valorizar a Paixão de Cristo, razão de nossa salvação.
Fundador da Congregação dos Padres Passionistas

Vendo os frutos de seu trabalho missionário, o bispo ordenou-o sacerdote. O ministério sacerdotal abriu para ele novos horizontes de apostolado. Por isso, muitos jovens aderiram ao seu trabalho missionário e passaram a ser seus discípulos. Assim, obedecendo ao impulso que o Espírito de Deus lhe dava, o Padre Paulo partilhou com o bispo seu sonho de fundar uma Congregação religiosa dedicada a valorizar no coração dos fiéis o amor à Paixão de Cristo. O bispo lhe deu total apoio e foi à Santa Sé pedir autorização do Papa. O Papa autorizou e o Padre Paulo da Cruz, como passou a ser chamado, fundou a Congregação dos Passionistas, recebendo um grupo de primeiros noviços.


Ramo feminino

Vendo os frutos reluzentes que a Congregação nascente fazia brotar no coração dos fiéis, padre Paulo sentiu no coração a necessidade de fundar também o ramo feminino de Passionistas, dedicadas a uma vida contemplativa e de oração pela missão dos padres. Assim nasceu a Congregação das Irmãs Passionistas.


Penitência, sacrifícios e milagres

São Paulo da Cruz nunca abandonou a vida de oração, sacrifícios e penitências. Usava sempre o hábito preto de sacerdote adornado com uma cruz branca que lembrava sua missão de pregar sobre a Paixão de Cristo. Além disso, dedicou-se ele a escrever várias obras que ajudaram a muitos na fé. Muitos foram os doentes curados milagrosamente após a oração de São Paulo da Cruz. Ele sempre atribuía essas curas á Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo e à Virgem das Dores.


Morte

Tendo chegado aos 78 anos, depois de uma vida inteira dedicada à evangelização, já desenganado, pediu a bênção do Papa Pio VI. Este, chamou-o até Roma. Com sacrifício, São Paulo foi, melhorou e viveu por mais três anos. Faleceu em 1775, aos 81 anos vendo os frutos de sua missão começarem a se espalhar pelo mundo. Em seus escritos e exemplos, insistiu que as comunidades Passionistas nunca deixassem de ser lugares que promoviam a experiência de Deus e ensinassem os caminhos da oração profunda.


Oração a São Paulo da Cruz

“Glorioso e Eterno Deus, que conferistes a São Paulo da Cruz a graça das grandes iniciativas cristãs, fazendo-o fundador dos Padres Passionistas, concedei-nos a graça de sermos sempre diligentes e fiéis para as coisas de Deus. Isto vos pedimos por Cristo Nosso Senhor. Amém. São Paulo da Cruz, rogai por nós!”


Fonte:  site Cruz terra Santa
FEVEREIRO
DOM
SEG
TER
QUA
QUI
SEX
SÁB





1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
181920212223
2425262728

- DEDICADO À VIRGEM MARIA -
Voltar para o conteúdo