2019 - FEVEREIRO - 09 - Liturgia Católica Apostólica Romana

www.liturgiacatolica.com
Ir para o conteúdo

2019 - FEVEREIRO - 09

MISSAL ROMANO > LITURGIA DO DIA
NOTICIÁRIO DO VATICANO
FEVEREIRO
DOM
SEG
TER
QUA
QUI
SEX
SÁB





1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
181920212223
2425262728

SÁBADO DA 4ª SEMANA – TEMPO COMUM


O Deus da paz, que fez subir dentre os mortos
o grande pastor das ovelhas, vos torne aptos a todo bem,

Leitura da Carta aos Hebreus 13,15-17.20-21

Irmãos:
15Por meio de Jesus,
ofereçamos a Deus um perene sacrifício de louvor,
isto é, o fruto dos lábios que celebram o seu nome.
16Não vos esqueçais das boas ações e da comunhóo,
pois estes são os sacrifícios que agradam a Deus.
17Obedecei aos vossos líderes
e segui suas orientações,
porque eles cuidam de vós
como quem há de prestar contas.
Que possam fazê-lo com alegria,
e não com queixas, que não seriam coisa boa para vós.
20O Deus da paz,
que fez subir dentre os mortos
aquele que se tornou, pelo sangue de uma aliança eterna,
o grande pastor das ovelhas, nosso Senhor Jesus,
21vos torne aptos a todo bem,
para fazerdes a sua vontade;
que ele realize em nós o que lhe é agradável,
por Jesus Cristo,
ao qual seja dada a glória pelos séculos dos séculos. Amém!
Palavra do Senhor


R. O Senhor é o pastor que me conduz,
não me falta coisa alguma.

1O Senhor é o pastor que me conduz;*
não me falta coisa alguma.
2Pelos prados e campinas verdejantes*
ele me leva a descansar.
Para as águas repousantes me encaminha,*
3ae restaura as minhas forças.
R.

3bEle me guia no caminho mais seguro,*
pela honra do seu nome.
4Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso,*
nenhum mal eu temerei.
Estais comigo com bastão e com cajado,*
eles me dão a segurança!
R.

5Preparais à minha frente uma mesa,*
bem à vista do inimigo;
com óleo vós ungis minha cabeça,*
e o meu cálice transborda.
R.

6Felicidade e todo bem hão de seguir-me,*
por toda a minha vida;
e, na casa do Senhor, habitarei*
pelos tempos infinitos.
R.


Eram como ovelhas sem pastor.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 6,30-34

Naquele tempo:
30Os apóstolos reuniram-se com Jesus
e contaram tudo o que haviam feito e ensinado.
31Ele lhes disse:
‘Vinde sozinhos para um lugar deserto,
e descansai um pouco’.
Havia, de fato, tanta gente chegando e saindo
que não tinham tempo nem para comer.
32Então foram sozinhos, de barco,
para um lugar deserto e afastado.
33Muitos os viram partir e reconheceram que eram eles.
Saindo de todas as cidades, correram a pé,
e chegaram lá antes deles.
34Ao desembarcar,
Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão,
porque eram como ovelhas sem pastor.
Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas.
Palavra da Salvação.










REFLEXÃO - PADRE JOÃO LUÍS FÁVERO - CAMPINAS


“O Senhor é o Pastor que me conduz, não me falta coisa alguma.”
Mc 6, 30-34

No processo de formação dos discípulos, Jesus evitava que caíssem num ativismo incontrolado. Eram tantas as pessoas que os rodeavam, fazendo solicitações de todo tipo, a ponto de não terem nem tempo para comer. Essa situação, com o passar do tempo, poderia se mostrar prejudicial. O excesso de atividades levaria os discípulos a se desviarem do verdadeiro sentido de sua missão.

Por isso, Jesus os convida para estarem à sós, com ele, de forma a criar um espaço de convivência e de troca de experiências, útil para quem se via tão atarefado. Os apóstolos tinham para partilhar sua experiência concreta de missão. Eles tinham experimentado a força de sua palavra, pela qual os demônios eram expulsos.

Viram como os doentes recobravam a saúde quando eram ungidos. Presenciavam a transformação operada na vida de quem se predispunha a converter-se ao Reino e fazer penitência por seus pecados. Eram testemunhas da alegria que se apoderava de quem se descobria amado por Deus e objeto de sua misericórdia.

O desejo de Jesus de estar sozinho com os discípulos não se concretizou. A multidão chegou antes deles, no lugar afastado para onde se dirigiam. Embora irrealizado, o desejo de Jesus não pode ser descartado sem mais. O ativismo é um perigo que deve ser evitado.

Quando alguém só trabalha, cai no ativismo e imagina salvar o mundo sozinho. Ficar só na oração, é o outro extremo, que também é insuficiente. É preciso fazer a nossa parte, trabalhando, mas precisamos confiar totalmente em Deus, sem o qual trabalhamos inutilmente. O ideal é a parceria com Deus. Ora et labora, nos ensina São Bento.

Rezemos: Senhor Jesus, que eu saiba encontrar momentos para a oração, revendo a minha vida de discípulo e me dispondo a continuar na missão.

Deus abençoe você e sua família.








REFLEXÃO - FREI RINALDO STECANELLA, OSM


Bom dia. Deus abençoe você nesse novo dia que está começando. Chegamos a mais um final de semana.  Que seu sábado seja muito abençoado e repleto de grandes alegrias. Deus está com você para acompanhar cada passo que você der hoje. Que seu dia seja muito especial!

MEDITANDO E SE ALIMENTANDO DA PALAVRA DE DEUS
Isaías 41, 8-14
Tu és o meu servo, a ti escolhi e nunca te rejeitei.
Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.
Eis que, envergonhados e confundidos serão todos os que se indignaram contra ti; tornar-se-ão em nada, e os que contenderem contigo, perecerão.
Buscá-los-ás, porém não os acharás; os que pelejarem contigo, tornar-se-ão em nada, e como coisa que não é nada, os que guerrearem contigo.
Porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita; e te digo: Não temas, eu te ajudo.
Não temas, tu meu amado filho,  eu te ajudo, diz o Senhor, e o teu redentor é o Santo de Israel.

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém!

Com carinho e bençãos
Frei Rinaldo, osm

Evangelho do dia: https://www.youtube.com/watch?v=ZTbgU6_iR9I







Oração

Martir da Alexandria durante o reinado do Imperador Philip I, o Árabe(244-249) e Trajanus Decius (249-251), multidões ferozes na Alexandria, Egito saiam as ruas a caça de cristãos e Apolonia, uma Diácona foi apanhada pela súcia e como ela se recusava a renunciar a Jesus e a sua fé, foi cruelmente torturada. Seus dentes foram arrancados com uma torquês (uma espécie alicate). Quebraram seus maxilares e foi levada a uma pira onde veio a morrer queimada. Apolonia não era jovem, mas Dionysio que presenciou a sua morte a descreveu em uma carta para Fabius, que foi preservada pelo historiador Euzebio, bispo de Antiopia: “Eles amarraram esta preciosa virgem, quebraram todos os seu dentes com socos nos maxilares, fizeram uma fogueira e ameaçaram queima-la viva, mas ela continuava recusando a recitar as blasfêmias que eles queriam que ela recitasse. Então, de repente, ela mesmo entrou na pira e foi logo envolvida de um fogo do “Espirito Santo” pois de lá de dentro ela nos olhava com o rosto de uma cristã sem nenhum medo.” Os anais de seus martírio contem outras crueldades, mas na liturgia católica ela é mostrada com a pinça usada nos seus dentes e ela é a padroeira oficial dos dentistas e é invocada contra a dor de dente.
Oração

Santa Apolônia que com coragem e sofrimentos atrozes destes vossa vida para testemunhar a Cristo, que sejam lançadas também na fogueira todas as formas de injustiça, para que o mundo renascendo das cinzas, se transforme em um mundo de paz e santidade. Santa Apolônia, intercedei pelos cristãos perseguidos por muitos que não aceitavam a Jesus Cristo como o Messias Prometido. Interferi nessa grande angústia pela que passam os cristãos nos tempos atuais. Concedei-nos a vitória sobre o inimigo e a conversão desses inconscientes pecadores. Por Cristo Nosso Senhor. Amém!
PUBLICIDADE
App Liturgia Católica
Voltar para o conteúdo