2019 - MAIO - 12 - DOMINGO - Liturgia Católica Apostólica Romana

Ir para o conteúdo

2019 - MAIO - 12 - DOMINGO

MISSAL ROMANO > LITURGIA DO DIA
Liturgia Diária
COR LITÚRGICA: BRANCO



FELIZ DIA DAS MÃES


Primeira Leitura (At 13,14.43-52)
Leitura dos Atos dos Apóstolos:
Naqueles dias, Paulo e Barnabé
14 partindo de Perge, chegaram a Antioquia da Pisídia. E, entrando na sinagoga em dia de sábado, sentaram-se.
43 Muitos judeus e pessoas piedosas convertidas ao judaísmo seguiram Paulo e Barnabé. Conversando com eles, os dois insistiam para que continuassem fiéis à graça de Deus.
44 No sábado seguinte, quase toda a cidade se reuniu para ouvir a palavra de Deus.
45 Ao verem aquela multidão, os judeus ficaram cheios de inveja e, com blasfêmias, opunham-se ao que Paulo dizia.
46 Então, com muita coragem, Paulo e Barnabé declararam: “Era preciso anunciar a palavra de Deus primeiro a vós. Mas, como a rejeitais e vos considerais indignos da vida eterna, sabei que vamos dirigir-nos aos pagãos.
47 Porque esta é a ordem que o Senhor nos deu: ‘Eu te coloquei como luz para as nações, para que leves a salvação até os confins da terra’”.
48 Os pagãos ficaram muito contentes, quando ouviram isso, e glorificavam a palavra do Senhor. Todos os que eram destinados à vida eterna, abraçaram a fé.
49 Desse modo, a palavra do Senhor espalhava-se por toda a região.
50 Mas os judeus instigaram as mulheres ricas e religiosas, assim como os homens influentes da cidade, provocaram uma perseguição contra Paulo e Barnabé e expulsaram-nos do seu território.
51 Então os apóstolos sacudiram contra eles a poeira dos pés, e foram para a cidade de Icônio.
52 Os discípulos, porém, ficaram cheios de alegria e do Espírito Santo.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.



Responsório (Sl 99)
— Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, nós somos seu povo e seu rebanho.
— Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, nós somos seu povo e seu rebanho.
— Aclamai o Senhor, ó terra inteira,/ servi ao Senhor com alegria,/ ide a ele cantando jubilosos!
— Sabei que o Senhor, só ele, é Deus,/ Ele mesmo nos fez, e somos seus,/ nós somos seu povo e seu rebanho.
— Sim, é bom o Senhor e nosso Deus,/ sua bondade perdura para sempre,/ seu amor é fiel eternamente!



Segunda Leitura (Ap 7,9.14b-17)
Leitura do Livro do Apocalipse de São João:
Eu, João,
9 vi uma multidão imensa de gente de todas as nações, tribos, povos e línguas, e que ninguém podia contar. Estavam de pé diante do trono e do Cordeiro; trajavam vestes brancas e traziam palmas na mão.
14b Então um dos anciãos me disse: “Esses são os que vieram da grande tribulação. Lavaram e alvejaram as suas roupas no sangue do Cordeiro.
15 Por isso, estão diante do trono de Deus e lhe prestam culto, dia e noite, no seu templo. E aquele que está sentado no trono os abrigará na sua tenda.
16 Nunca mais terão fome nem sede. Nem os molestará o sol nem algum calor ardente.
17 Porque o Cordeiro, que está no meio do trono, será o seu pastor e os conduzirá às fontes da água da vida. E Deus enxugará as lágrimas de seus olhos”.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.



Evangelho (Jo 10,27-30)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, disse Jesus:
27 "As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem.
28 Eu dou-lhes a vida eterna e elas jamais se perderão. E ninguém vai arrancá-las de minha mão.
29 Meu Pai, que me deu estas ovelhas, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai.
30 Eu e o Pai somos um”.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.




Pe. Adroaldo: “Uma voz que move”
“As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem” (Jo 10,27)
Pe. Adroaldo Palaoro, sj Diretor do Centro de Espiritualidade Inaciana – CEI


Todo quarto domingo de Páscoa é dedicado ao tema do “Bom Pastor”; a liturgia não apresenta outros relatos de aparições, mas continuamos com mais um texto profundamente pascal.

No relato deste domingo, a alegoria do Pastor fala de “escuta”, “conhecimento”, “seguimento” e “vida eterna”, que é a chave do tempo pascal; ao mesmo tempo, num aprofundamento progressivo, o texto remete ao Pai e culmina na Unidade, como Fonte de onde tudo procede e para onde tudo retorna.

São estas realidades que nos permitem conectar com o sentido originário da imagem do Pastor, sem cair na literalidade pastor/ovelhas, paternalismo/cordeirinho, poder/submissão…, que acabam provocando uma justificada resistência e rejeição.

Jesus quer estabelecer com seus(suas) amigos(as) uma relação que seja o reflexo daquela que Ele mesmo tem para com o Pai: uma relação de pertença recíproca, na confiança plena, na íntima comunhão.

Para expressar esta realidade profunda, esta relação de amizade, Jesus utiliza a imagem do pastor com suas ovelhas: ele as chama e elas reconhecem sua voz, respondem a seu chamado e o seguem.

Esta parábola é muito instigante. O mistério da voz é sugestivo: desde o ventre de nossa mãe aprendemos a reconhecer sua voz e, quando nascemos, vamos reconhecendo outras vozes. Pelo tom de uma voz percebemos o amor ou o desprezo, o afeto ou a frieza, a acolhida ou a rejeição.

A voz de Jesus é única! Se aprendemos a distingui-la de outras vozes, Ele nos guiará pelo caminho da vida, um caminho que supera também o abismo da morte.

O contexto do relato deste domingo é o embate de Jesus com as autoridades religiosas judaicas. Depois de dizer que elas não são suas ovelhas, Jesus descreve com todo detalhe o que significa ser dos seus.

Destaca dois traços, os mais essenciais e imprescindíveis: “Minhas ovelhas escutam minha voz… e elas me seguem”. Não se trata só de ouvir a Jesus, mas de escutá-lo. Muitas vezes só ouvimos e aceitamos somente o que está de acordo com nossos interesses. Escutá-lo significa aproximar-nos sem pré-juízos e acolher o que Ele nos diz, mesmo que isso implique mudar nossas convicções; escutar é pôr toda nossa atenção para tratar de compreender.

“E elas me seguem”. Não basta escutar, é preciso colocar-nos em movimento e entrar na nova dinâmica da vida. Escutar tem ressonância interna e ativa todas as nossas potencialidades ali presentes.

A boa notícia de Jesus consiste em manifestar que há uma nova maneira de assumir a existência humana, uma maneira de viver que esteja mais de acordo com as exigências profundas do nosso ser. Quando alguém é capaz de escutar esse chamado interior e de viver conforme ele, vive uma existência feliz. Vive de acordo com seu mais íntimo e esta adequação entre a vida exterior e a vida interior é a felicidade.

Em um mundo onde há tanto ruído, discursos ocos e palavreado intolerante, não é fácil prestar atenção a alguma voz em especial. O fato é que às vezes vivemos em bolhas onde raramente entram vozes que nos comovam de verdade. E, no entanto, debaixo de gritos, ruídos, músicas estridentes, anúncios, peças publicitárias e frases que apelam ao conservadorismo, continua brotando palavras cheias de verdade. Palavras que valem a pena escutá-las. Talvez, detrás de muitos gestos petrificados, palavras sem sentido, falsas seguranças, estarão vozes que clamam por ajuda, ou simplesmente expressam dor, desejo de paz, de consolo.

O verdadeiro desafio é aprender a escutar, por debaixo desses discursos, a palavra profunda, o canto tranquilo ou a voz que põe em movimento.

Saber escutar o outro é uma simples, mas profunda acolhida humana; trata-se de um ato de hospitalidade, pois consiste em abrir espaço para a presença do outro, sem preconceito. Porque quem escuta de verdade recebe toda palavra como nova e ativa a sensibilidade para deixar-se “tocar” pela voz que alarga a vida.

Vivemos mergulhados num mundo de vozes; um “vozerio” nos cerca: vozes que nos levam à morte, vozes que nos chamam à vida; vozes contaminadas pelo egoísmo, adulteradas pelo medo, deturpadas pela impureza, e vozes que são o eco do paraíso convidando para a festa, comunicando paz, convocando à comunhão… É possível que as vozes do egoísmo, do orgulho e da ambição tentem se disfarçar em voz de Cristo, a fim de arrastar-nos para o vazio e a ruína. Mas o Pastor verdadeiro não fala por ruídos, e sim pelo silêncio; não fala pela força dos pulmões, e sim pelo vento suave de seu Espírito…

Para escutá-la requer-se interioridade e atenção aos sinais de sua presença: pode ser a voz de um irmão pedindo socorro; pode ser a linguagem de um acontecimento alegre ou triste; pode ser uma palavra lida ou proclamada; pode ser uma inspiração misteriosa captada no silêncio…

Na arte do discernimento das vozes, o importante é, através da escuta interior, perceber de onde vem e para onde nos conduz cada voz que ressoa em nós. Se ela nos conduz para o outro, para o Reino…é clara manifestação da voz do Pastor.

Depois de mais vinte séculos, nós seguidores(as) precisamos recordar de novo que o essencial para ser a Igreja de Jesus é escutar sua voz e seguir seus passos.

Primeiramente, é preciso despertar a capacidade de escutar Jesus; ativar muito mais em nossas comunidades essa sensibilidade, que está viva em muitos cristãos simples que sabem captar a Palavra que vem de Jesus em todo seu dinamismo e sintonizar com sua Boa Notícia de Deus.

Mas não basta escutar sua voz. É necessário seguir a Jesus. Chegou o momento de decidir-nos entre contentar-nos com uma “religião burguesa” que tranquiliza as consciências mas afoga nossa alegria, ou aprender a viver a fé cristã como uma aventura apaixonante de seguir a Jesus.

Parece óbvio afirmar isso: somos seguidores de uma Pessoa (Jesus Cristo) e não seguidores de uma religião, de uma doutrina, de uma moral… Estas são mediações que deveriam nos ajudar a crescer na identificação e vida d’Aquele é o Bom Pastor.

A aventura cristã consiste em crer naquilo que Ele acreditou, dar importância àquilo que Ele deu, defender a causa do ser humano como Ele a defendeu, aproximar-nos dos indefesos e desvalidos como Ele se fez presente, ser livres para fazer o bem como Ele, confiar no Pai como Ele confiou e enfrentar a vida e a morte com a esperança com que Ele enfrentou.

Se, aqueles que vivem perdidos, sozinhos e desorientados podem encontrar na comunidade cristã um lugar onde se aprende a viver juntos de maneira mais digna, solidária e libre, seguindo a Jesus, a Igreja estará oferecendo ao mundo de hoje um de seus melhores serviços.


Texto bíblico: Jo 10,27-30


Na oração: minha voz, está a serviço de quem?

Da vida ou da morte? Como ela se expressa: com intolerância, julgamento, preconceito? Sou canal através do qual a Voz de Vida chega até os últimos…, ou coloco minha voz à disposição daqueles que estão a serviço da violência e da morte? Sei distinguir as diferentes vozes que se fazem ouvir ao meu redor? Purifico minha voz no fogo do silêncio ou ela é expressão do ruído da superficialidade?


Artigo
Pe. Adroaldo Palaoro, sj
Diretor do Centro de Espiritualidade Inaciana – CEI
Fonte: Rede Século 21

REFLEXÃO - PADRE JOÃO LUÍS FÁVERO - CAMPINAS


“Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, nós somos seu povo e seu rebanho.”
Jo 10, 27-30

O 4º. Domingo da Páscoa é chamado de “Domingo do Bom Pastor”. O Bom Pastor é o cordeiro imolado, é Jesus, o Filho do Pai que se encarnou para cuidar e dar a vida por nós. E por isso as ovelhas escutam a sua voz e o seguem.

Para Jesus, ser o Bom Pastor é ser amor encarnado na vida das ovelhas. E Ele nos ensina a cuidar, um cuidado todo especial com os irmãos, como Ele faz conosco.  Ouvir a sua voz, é aprender o exemplo que ele nos dá. Aderir não só com as palavras, mas com atitudes. Escutar é seguir os seus passos.

A segurança das ovelhas está no pastor. Ele conhece o caminho das pastagens e das águas. Ele vigia durante a noite. Para o pastor cada ovelha tem nome e elas conhecem a sua voz. Nasce entre eles uma cumplicidade que gera unidade e proteção, uma intimidade profunda. E se alguma se perde, ele procura até encontrar, porque ninguém pode arrancá-las de sua mão.  

Numa sociedade de anonimato, individualismo e de massificação, sentimo-nos amados e acolhidos pelo “Bom Pastor”. Ele é o pastor que conhece e dá a vida pelas suas ovelhas. Jesus é o “cordeiro-pastor” que vem propor novas relações entre os seres humanos; uma relação de cuidado que devemos ter conosco e com os irmãos.

Cristo nos lembra que sua lógica é a lógica da doação, não da exploração; do serviço, não do poder; do sacrificar-se pelos outros, não do sacrificar os outros a si. Jesus-Pastor, não se poupa para defender o rebanho.

A comunidade cristã, embora provada. Tem motivos para não se desesperar, porque está em boas mãos e sempre protegida pelo Bom Pastor.

Rezemos: Senhor, reforça minha consciência de estar em tuas mãos. Seu amor e sua ternura me protegem e é o meu amparo.

Deus abençoe você e sua família.





REFLEXÃO - FREI RINALDO STECANELLA, OSM


Bom dia. Deus abençoe sua preciosa vida neste Domingo, dia do Senhor. Que ao levantar você possa sentir toda a beleza da criação que Deus preparou para você com muito amor e carinho. Hoje estamos recordando o DIA DAS MÃES.  Parabéns à Dona Nadir (minha mãe); parabéns às minhas irmãs de sangue que também são mães (Rejane e Gislaine); Parabéns a tantas mães que ao longo da minha vida foram me adotando como filho do coração! Que Deus abençoe cada MÃE, esse nome LINDO e gostoso de se pronunciar. Um nome pequeno, porém, que traz a grandeza de uma alma gigante e generosa. Um nome que representa a vida no seu mais profundo significado. Nossas orações às Mães que já não estão entre nós...e que, ao lado de Maria, a grande Mãe, continuam vivas no coração de Deus ,e, com certeza, estão zelando pela felicidade dos que ainda continuam sua marcha aqui na terra.
MAMÃES... que este domingo seja um dia muito feliz, carregado de bençãos, lindas homenagens e muitas felicidades para todas vocês.
Deus abençoe a você que é MÃE.


A Minha alma glorifica ao Senhor,
meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador,
porque olhou para sua pobre serva.
Por isto, desde agora, me proclamarão bem-aventurada
todas as gerações,
porque realizou em mim maravilhas
aquele que é poderoso e cujo nome é Santo.
Sua misericórdia se estende, de geração em geração,
sobre os que o temem. Manifestou o poder do seu braço:
desconcertou os corações dos soberbos.
Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes.
Saciou de bens os indigentes e despediu de mãos vazias os ricos. Acolheu a Israel, seu servo, lembrado da sua misericórdia, conforme prometera a nossos pais,
em favor de Abraão e sua posteridade, para sempre.  
(Lc 1, 46b - 55)

Com carinho e bençãos
Frei Rinaldo, osm







ORAÇÃO
SÃO PANCRÁCIO - PATRONO DOS DESEMPREGADOS, CONTRA CÃIBRAS, PROBLEMAS NOS PULMÕES - 12 DE MAIO

Oração a São Pancrácio:

"Glorioso São Pancrácio alcançai-me de Deus o trabalho honrado e suficiente para as minhas necessidades nessa vida temporal e peço ainda saúde e força para cumprir com o meu trabalho e através de ti confio que alcançarei a glória eterna. Amem".







FEVEREIRO
DOM
SEG
TER
QUA
QUI
SEX
SÁB





1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
181920212223
2425262728

Voltar para o conteúdo