24 DE OUTUBRO - QUINTA-FEIRA - Liturgia Diária da Igreja Católica Apostólica Romana

"extra Ecclesiam nulla salus"
Ir para o conteúdo
MISSAL > LITURGIA DO DIA
Pesquisa rápida
Liturgia Diária


5ª-feira da 29ª Semana Do Tempo Comum
24 de Outubro de 2019
Cor: Verde




1ª Leitura - Rm 6,19-23

Agora libertados do pecado, sois como escravos de Deus.
Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos 6,19-23
Irmãos:
19 Uso uma linguagem humana, por causa da vossa limitação. Outrora, oferecestes vossos membros como escravos para servirem à impureza e à sempre crescente desordem moral. Pois bem, agora, colocai vossos membros ao serviço da justiça, em vista da vossa santificação.
20 Quando éreis escravos do pecado, estáveis livres em relação à justiça.
21 Que fruto colhíeis, então, de ações das quais hoje vos envergonhais? Pois o fim daquelas açðes era a morte.
22 Agora, porém, libertados do pecado, e como escravos de Deus, frutificais para a santidade até a vida eterna, que é a meta final.
23 Com efeito, a paga do pecado é a morte, mas o dom de Deus é a vida eterna em Jesus Cristo, nosso Senhor.
Palavra do Senhor.


Salmo - Sl 1,1-2. 3. 4.6 (R. Sl 39,5a)
 
R. É feliz quem a Deus se confia!

1 Feliz é todo aquele que não anda *
conforme os conselhos dos perversos;
que não entra no caminho dos malvados, *
nem junto aos zombadores vai sentar-se;
2 mas encontra seu prazer na lei de Deus *
e a medita, dia e noite, sem cessar.
R.
 
3 Eis que ele é semelhante a uma árvore *
que à beira da torrente está plantada;
ela sempre dá seus frutos a seu tempo, +
e jamais as suas folhas vão murchar. *
Eis que tudo o que ele faz vai prosperar,
R.
 
4 mas bem outra é a sorte dos perversos. +
Ao contrário, são iguais à palha seca *
espalhada e dispersada pelo vento.
6 Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, *
mas a estrada dos malvados leva à morte.
R.


Evangelho - Lc 12,49-53
 
Não vim trazer a paz mas a divisão.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 12,49-53
Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:
49 Eu vim para lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso!
50 Devo receber um batismo, e como estou ansioso até que isto se cumpra!
51 Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra? Pelo contrário, eu vos digo, vim trazer divisão.
52 Pois, daqui em diante, numa família de cinco pessoas, três ficarão divididas contra duas e duas contra três;
53 ficarão divididos: o pai contra o filho e o filho contra o pai; a mãe contra a filha e a filha contra a mãe; a sogra contra a nora e a nora contra a sogra.'
Palavra da Salvação.




Fonte: Youtube RS21
Fonte: Youtube RS21
Fonte: Youtube RS21
Reflexão - Padre João Luís Fávero - Campinas (SP)
“É Feliz quem a Deus se confia! ”
Lc 12, 49-53

Com duas imagens Jesus descreve aspectos de sua missão: O fogo do julgamento que sua vida inaugura e o Batismo da morte que realizará o projeto do Pai.

O fogo que Jesus traz não é o fogo destruidor, mas o fogo do Espirito Santo. Lembremos que, no Pentecostes, o Espirito pousou em forma de línguas de fogo sobre as pessoas que estavam na sala. (At 2,3).

O batismo de que fala Jesus é a sua morte e glorificação, o pleno cumprimento de sua obra de salvação.

O fogo de Espírito infundirá vida e dinamismo nos seguidores de Jesus, que vão continuar o que Ele começou. E o projeto de Jesus, selado com seu sangue na cruz, vem abalar os fundamentos da sociedade injusta. Jesus rompe com a falsa ordem estabelecida.

Quem aceita a novidade do Reino de Deus, assume a prática do amor, tão revolucionária que acaba provocando divisões até mesmo entre os familiares. Pois cada um fará suas escolhas mediante a escala de valores que ele estabelecer. A opção pelo projeto de Deus deve prevalecer, é assim que surgirão as contradições. Já o velho Simeão anunciava: “este menino será... um sinal de contradição” (Lc 2, 34).

Rezemos: Senhor dá-me força e coragem para viver a divisão provocada pela opção do Reino, ao me defrontar com quem optou pelo egoísmo, sem me deixar abalar pelas falsas considerações.

Deus abençoe você e sua família.
Reflexão - Frei Rinaldo Stecanella, osm
Bom dia. Deus abençoe sua vida nessa nova jornada de Quinta-feira que está começando. Agradeça a Deus o dom da vida, é mais um dia que Deus nos dá para sermos melhores, fazermos o bem e deixar nossa marca de pessoas que querem fazer a diferença. Então faça! Deus estará do seu lado o tempo todo. Ele é Pai e Jesus vai mandar o seu Espírito para iluminar todos os seus passos. Que seja uma quinta alegre, saudável e repleta de boas realizações. Deus abençoe.

Em Deus está a minha salvação e a minha glória;
a rocha da minha fortaleza e o meu refúgio estão em Deus.
Salmo 62,7
Com carinho e bençãos
Frei Rinaldo, osm
ORAÇÃO

SANTO ANTÔNIO MARIA CLARET, BISPO

  • Protetor das pessoas que estão em perigo ou nas mãos de malfeitores

  • Fundador das Congregações:
    • Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria (Padres Claretianos)
    • Irmãs de Ensino Maria Imaculada (Irmãs Claretianas)






Origens

Nascido em dezembro de 1807, num povoado chamado Sallent, perto de Vic e de Barcelona, Espanha, Antônio Claret y Clara foi batizado num dia de Natal. Foi o quinto filho entre dez. Seu pai era tecelão e seu lar era cristão. Na família, recebeu o exemplo e a doutrina do seguimento de Jesus Cristo, bem como a devoção à Virgem Maria e um grande amor à eucaristia. Ainda criança, aprendeu a profissão de tecelão, com o pai. Depois, a de tipógrafo. A tipografia o influenciaria bastante na ousadia de evangelizar pelos meios de comunicação.


Chamado de Deus

Ainda adolescente, Antônio Claret sentiu um forte chamado para se colocar a serviço de Deus como religioso. Por isso, decidiu acrescentar o nome "Maria" ao seu. Ele queria, com isso, testemunhar que dedicaria sua vida a Nossa Senhora. E ele viveu uma vida extraordinária, dedicada a fazer o bem, à caridade e ao amor próximo.


Discernimento

Antônio Maria Claret trabalhou juntamente com seu pai numa fábrica de tecidos. Por causa de sua competência e dom de comunicação, foi convidado para trabalhos bastante rentáveis. Porém, recusou a todos por causa de sua vocação religiosa. Depois, quando tinha vinte e um anos, entrou no Seminário de Vic. Seu objetivo era se tornar monge cartuxo. Porém, um sacerdote percebeu sua vocação missionária e os dons para ser um homem de ação dentro da Igreja. Dócil ao Espírito Santo, Antônio Maria Claret obedeceu.


Começa a vida de missionário

Antônio Maria Claret foi ordenado em 1835. Em seguida, recebeu a nomeação de pároco de sua terra natal. Ali, ficou durante quatro anos. Depois disso, foi para Roma, mais precisamente para uma entidade da Igreja chamada Propaganda Fides (Propagação da Fé) e passou a ser missionário apostólico. Neste ministério, viveu anos de árduo trabalho, dedicando-se inteiramente ao serviço pastoral na Espanha. Este seu trabalho rendeu muitos frutos para a Igreja. Por causa do êxito de seu trabalho, foi enviado para as Ilhas Canárias, uma região difícil no campo da missão, no ano 1948.


Primeira fundação

Porém, o Padre Antônio Maria Claret sentia em seu coração o ardente desejo de iniciar uma obra de alcance mais amplo. Assim, no ano 1849, junto com outros cinco jovens padres, ele fundou a Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria. Mais tarde, esta congregação passou a ser chamada de Padres Claretianos, por causa da força de seu carisma.


Bispo de Cuba

Pouco tempo depois da fundação da congregação, a longínqua diocese de Cuba vivia um tempo de enorme dificuldade. Estava sem bispo há quatorze anos. Assim, mesmo ano da fundação da congregação, Padre Antônio Maria Claret foi nomeado seu arcebispo. Novamente, colocou-se a serviço e ficou evidente que Nossa Senhora jamais o abandonava.


Perseguições na ilha de Cuba

Em Cuba, passou a ser vítima constante de toda a sorte de pressões por parte de lojas maçônicas. Estas, faziam violenta oposição aos padres, e provocaram vários atentados contra a sua vida. Puseram fogo numa casa em que ele estava, misturaram veneno a seus alimentos, bateram nele várias vezes e o assaltaram à mão armada outras tantas. Porém, Santo Antônio Maria Claret sempre escapava ileso e continuava sua missão sem retroceder.


Missão em Cuba – Congregação feminina

Santo Antônio Maria Claret restaurou o velho seminário cubano, que, por causa de seu exemplo de santidade, passou a receber inúmeras vocações. Apoiou negros e índios, tornados escravos e procurava liberta-los. No ano 1855, com o auxílio de madre Antônia Paris, fundou uma nova congregação religiosa, que passou a se chamar Congregação das Irmãs de Ensino Maria Imaculada. Mais tarde, receberam o apelido carinhoso de Irmãs Claretianas. Por causa de seu empenho missionário, Cuba ganhara várias outras dioceses. Ele fez questão de fazer visitas pastorais a cada uma delas. Nessas visitas, levava força e ânimo para os cristãos que mergulhavam num trabalho sempre mais difícil e sempre mais necessário.


De volta à Europa

Em 1857 Santo Antônio Maria Claret voltou a Madri, deixando a Igreja de Cuba mais fortalecida, unida e resistente. Em sua volta à Espanha, a rainha Isabel II pediu que ele passasse a ser seu confessor. Mesmo sem querer tal cargo para não se envolver com política, aceitou, vendo também nisso um chamado de Deus. Nessa época, teve tempo para escrever e sua obra literária cresceu bastante. Ele juntou a ela seus incontáveis sermões cheios de sabedoria. No ano 1868, fez-se solidário com a rainha e acompanhou-a no exílio na França. Lá, permaneceu junto com a família real. Porém, continuou sua missão apostólica de grande escritor. Na França, achou tempo e forças para dirigir a fundação de uma academia destinada aos artistas. Esta obra passou a subsistir sob a proteção de São Miguel Arcanjo.


Morte
Santo Antônio Maria Claret morreu com a idade de sessenta e três anos. Foi em 24 de outubro do ano 1870. Ele estava, então, no Mosteiro de Fontfroide, França. Ele deixou uma numerosa e importante obra escrita, que inspira e dirige almas até os dias de hoje. Sua beatificação foi celebrada pelo papa Pio XI. Este, chamou-o de "precursor da Ação Católica do mundo moderno". Sua canonização aconteceu em 1950, pelas mãos do Papa Pio XII.


Oração a Santo Antônio Maria Claret

“Ó glorioso santo, vós que em vida sofrestes tantos tipos de violência e perseguições, como atentados, assaltos e ameaças de morte, mas que, pela vossa fé e confiança em Deus e no Imaculado Coração de Maria, todas as vezes nos livrastes desses males, intercedei por mim; e livrai-me to perigo de ser assaltado, roubado ou seqüestrado. Afastai de mim e de minha família toda espécie de violência física e moral. Amém. Santo Antônio Maria Claret, rogai por nós.” (Rezar um Pai-Nosso por todas as pessoas que se encontram em perigo ou nas mãos de malfeitores)


FONTE:  SITE CRUZ TERRA SANTA









FEVEREIRO
DOM
SEG
TER
QUA
QUI
SEX
SÁB





1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
181920212223
2425262728

- DEDICADO À VIRGEM MARIA -
Voltar para o conteúdo