III. Bênçãos dos esposos - Liturgia Católica Apostólica Romana

www.liturgiacatolica.com
www.liturgiacatolica.com
Ir para o conteúdo

III. Bênçãos dos esposos

RITUAIS > Bênçãos > PRIMEIRA PARTE

I. BÊNÇÃOS DOS ESPOSOS
PRELIMINARES
90. Nos principais aniversários do Matrimónio, como p.ex., no 25.º, 50.º, 60.º aniversário, é oportuno fazer uma especial comemoração do sacramento, celebrando a Missa própria com as orações indicadas no Missal Romano 4.
91.  A bênção dos esposos pode realizar-se dentro da Missa, conforme o que a seguir se descreve (nn. 94-106; 107-114), ou fora da Missa, segundo o que adiante se apresenta (nn. 115-131; 132-134).
92. Fora dos aniversários, os esposos podem também pedir a bênção em determinadas necessidades ou circunstâncias da vida, como p. ex., numa reunião espiritual ou numa peregrinação em comum. Quando é preciso abençoar vários esposos simultaneamente, a oração de bênção e a oração final serão ditas no plural.
93. Para adaptar a celebração às circunstâncias do lugar, dos esposos e das famílias, podem tomar-se algumas partes deste rito de bênção, conservando sempre os seus elementos principais.

4 Cf . Missale Romanum, Missae Rituales, Pro Sponsis 2: In aniversariis Matrimonnii.



A. BÊNÇÃO DENTRO DA MISSA NOS ANIVERSÁRIOS DO MATRIMÓNIO
94. Na liturgia da palavra, conforme as rubricas, as leituras podem tomar-se do Leccionário para a celebração do Matrimónio5 ou da Missa de acção de graças no Leccionário das Missas para diversas circunstâncias 6.
95. Depois da leitura do Evangelho, o celebrante expõe na homilia, a partir do texto sagrado, a doutrina sobre o mistério e a graça da vida matrimonial cristã, atendendo contudo às diversas circunstâncias das pessoas.

96. Em seguida, o celebrante convida os esposos a orar em silêncio e a renovar diante de Deus o propósito de viverem santamente o Matrimónio.
97. Então o celebrante, conforme as circunstâncias, diz a oração de bênção:
Fortalecei e santificai, Senhor, o amor dos vossos servos,
para que, tendo entregado um ao outro estas alianças em sinal de fidelidade,
progridam sempre na graça do sacramento. Por Nosso Senhor.
R. Amen.
As alianças podem ser incensadas.

98. Se se renovam as alianças, o celebrante diz esta oração de bênção:
Abençoai e santificai, Senhor, o amor dos vossos servos,
para que, entregando um ao outro estas alianças em sinal de fidelidade,
renovem o seu compromisso de amor e a graça do sacramento.
Por Nosso Senhor.
R. Amen.

99. Podem utilizar-se também as seguintes fórmulas 7:
Derramai, Senhor, a vossa bênção sobre estas alianças que + abençoamos em vosso nome,
para que os esposos que as vão usar, guardando íntegra fidelidade um ao outro,
permaneçam na vossa paz, obedeçam à vossa vontade e vivam sempre em mútua caridade.
Por Nosso Senhor.
R. Amen.
ou
Abençoai + e santificai, Senhor,
o amor dos vossos servos (N. e N.)
e fazei que, usando estas alianças em sinal de fidelidade, recordem dia após dia a promessa de se amarem mutuamente. Por Nosso Senhor.
R. Amen.

100. Segue-se a oração dos fiéis na forma habitual da Missa ou a oração comum na forma que aqui se propõe:
Invoquemos a misericórdia de Deus Pai todo-poderoso, que, na sua admirável providência, quis que a história da salvação fosse simbolizada pelo amor, fidelidade (e fecundidade) conjugal. Digamos com humilde confiança:

R. Renovai, Senhor, a fidelidade dos vossos servos.

Pai santo, Deus fiel,
que pedis e recompensais a fidelidade à vossa aliança, enriquecei com a abundância das vossas bênçãos
estes vossos servos que celebram o (vigésimo quinto, quinquagésimo, sexagésimo) aniversário do seu Matrimónio. R.

Pai santo, que viveis eternamente com o Filho e o Espírito Santo em plena unidade de vida e comunhão de amor,
fazei que estes vossos servos
recordem sempre e observem fielmente
a aliança de amor que firmaram no sacramento do Matrimónio. R.

Pai santo, que, na vossa admirável providência, ordenais todos os acontecimentos da vida humana
de modo a orientar os fiéis para a participação no mistério de Cristo, fazei que estes vossos servos,
aceitando serenamente as prosperidades e as adversidades da vida, fortaleçam a sua união com Cristo e vivam só para Ele. R.

Pai santo, que, na vossa inefável sabedoria,
quisestes que o Matrimónio fosse um testemunho de vida cristã, fazei que todos os esposos sejam no mundo
testemunhas do mistério de amor do vosso Filho. R.
101. O celebrante diz em seguida esta oração ou outra apropriada:
Deus eterno e omnipotente,
que, pela vossa admirável providência,
sois o princípio e o fundamento da comunidade familiar, escutai benignamente as súplicas dos vossos servos
e fazei que, seguindo os exemplos da Sagrada Família, possam um dia louvar-Vos eternamente
na alegria da vossa morada celeste. Por Nosso Senhor.
R. Amen.
102. Na liturgia eucarística faz-se tudo como se indica no Ordinário da Missa, excepto o que adiante se apresenta.
Na apresentação dos dons, os esposos, conforme as circunstâncias, podem levar ao altar o pão, o vinho e a água.

103. Depois do Pai nosso, omitindo o Livrai-nos de todo o mal, Senhor, o celebrante, voltado para os esposos, diz, de braços abertos:
Nós Vos louvamos e bendizemos, Deus, criador do universo, que no princípio do mundo formastes o homem e a mulher para constituírem uma comunidade de vida e de amor.
Nós Vos damos graças,
porque Vos dignastes abençoar a união familiar dos vossos servos N. e N.,
para se tornarem imagem da união de Cristo com a sua Igreja.
Vós que os conservastes unidos pelo amor nas alegrias e trabalhos,
olhai hoje para eles com bondade:
renovai constantemente a sua aliança nupcial,
aumentai o seu amor e fortalecei-os pelo vínculo da paz, para que (juntamente com os filhos que os rodeiam) gozem sempre da vossa bênção.
Por Nosso Senhor.
R. Amen.

104. Depois de A paz do Senhor esteja sempre convosco, conforme as circunstâncias e de acordo com os costume do lugar, os esposos e todas as pessoas presentes dão entre si o sinal da paz e da caridade, do modo mais conveniente.

105. Os esposos podem comungar sob as duas espécies.

106. No fim da Missa, o celebrante abençoa os esposos, ou na forma habitual ou com a forma mais solene, p.ex. do seguinte modo:
O diácono convida os presentes para receberem a bênção, dizendo estas palavras ou outras semelhantes:
Inclinai-vos para receber a bênção.
Então o celebrante, com as mãos estendidas sobre os esposos, diz:
Deus Pai todo-poderoso vos conceda a sua alegria.
R. Amen.
O Filho Unigénito de Deus vos assista benignamente na prosperidade a na adversidade.
R. Amen.
O Espírito Santo derrame o seu amor divino em vossos corações.
R. Amen.
Por fim, abençoa todos os presentes, dizendo:
E a vós todos aqui presentes, abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai, Filho + e Espírito Santo.
R. Amen.

5 Cf. Ritual Romano, Celebração do Matrimónio, nn. 67-105; Missale Romanum, Ordo Lectionum Missae, nn. 801-805.
6 Cf. Ibidem, nn. 943-947.
7 Cf. Ritual Romano, Celebração do Matrimónio, nn. 110-111.


B. BÊNÇÃO DENTRO DA MISSA NOUTRAS CIRCUNSTÂNCIAS
 


104. Na liturgia da palavra, segundo as rubricas, as leituras podem tomar-se do Leccionário do Missal Romano, nas Missas «dos Esposos» ou nas Missas de acção de graças 8.

 
105. Depois da leitura do Evangelho, o celebrante expõe na homilia, a partir do texto sagrado, a doutrina sobre a graça e o mistério da vida matrimonial cristã, atendendo contudo às diversas circunstâncias das pessoas.
 

106. Em seguida, o celebrante convida oportunamente os esposos a orar  em silêncio e a renovar diante de Deus o propósito de viverem santamente o Matrimónio.
 

107. Segue-se a oração dos fiéis na forma habitual ou a oração comum na forma que aqui se propõe:
 

Invoquemos a misericórdia de Deus todo-poderoso, que, na sua admirável providência, quis que a história da salvação fosse simbolizada pelo amor, fidelidade (e fecundidade) conjugal. Digamos com humilde confiança:
 
R. Renovai, Senhor, a fidelidade dos vossos servos.
 
Pai santo, que fizestes da união matrimonial
 
um grande sacramento referido a Cristo e à Igreja,
 
derramai sobre estes vossos servos a plenitude do vosso amor.   R.
 

Pai santo, que viveis eternamente com o Filho e o Espírito Santo em plena unidade de vida e comunhão de amor,
 
fazei que estes vossos servos
 
recordem sempre e observem fielmente
 
a aliança de amor que firmaram no sacramento do Matrimónio. R.
 

Pai santo, que, na vossa admirável providência, ordenais todos os acontecimentos da vida humana de modo a orientar os fiéis
 
para a participação no mistério de Cristo, fazei que estes vossos servos,
 
aceitando serenamente as prosperidades e as adversidades da vida, fortaleçam a sua união com Cristo e vivam só para Ele. R.

 
Pai santo, que, na vossa inefável sabedoria,
 
quisestes que o Matrimónio fosse um testemunho de vida cristã, fazei que todos os esposos sejam no mundo
 
testemunhas do mistério de amor do vosso Filho. R.


 
108. O celebrante conclui a oração, dizendo, de braços abertos:
 
Senhor, Pai santo,
 
que elevastes a tão grande dignidade a indissolúvel aliança matrimonial, tornando-a imagem e símbolo
 
da união nupcial de Cristo com a Igreja,
 
olhai com bondade para estes vossos servos N. e N., que, unidos pelo Matrimónio, imploram o vosso auxílio e a intercessão da Virgem Santa Maria:
 
fazei que o seu amor se manifeste sempre nas alegrias e nas tristezas,
 
ajudando-se mutuamente,
 
solícitos em conservar a unidade de espírito pelo vínculo da paz; encontrem nos seus trabalhos a vossa presença reconfortante, sintam nas tribulações a vosssa companhia consoladora,
 
e reconheçam sempre em Vós a fonte da perfeita alegria. Por Nosso Senhor.
 
R. Amen.

 
109. Na liturgia eucarística faz-se tudo como se indica no Ordinário da Missa, excepto o que adiante se especifica.
 
Na apresentação dos dons, os esposos, conforme as circunstâncias, podem levar ao altar o pão, o vinho e a água.
 
 
110. Depois de A paz do Senhor esteja sempre convosco, conforme as circunstâncias e de acordo com os costumes do lugar, os esposos e todas as pessoas presentes dão entre si o sinal da paz e da caridade, do modo mais conveniente.
 
 
111. No fim da Missa, o celebrante abençoa os esposos na forma habitual ou com uma fórmula mais solene, p.ex. do modo seguinte:
 
 
O diácono convida os presentes para receberem a bênção, dizendo estas palavras ou outras semelhantes:
 
 
Inclinai-vos para receber a bênção.
 
Então o celebrante, com as mãos estendidas sobre os esposos, diz:
 
 
Deus Pai todo-poderoso vos conceda a sua alegria.
 
 
R. Amen.
 
 
O Filho Unigénito de Deus vos assista benignamente na prosperidade e na adversidade.
 
 
R. Amen.
 
 
O Espírito Santo derrame o seu amor divino em vossos corações.
 
 
R. Amen.
 
Por fim abençoa todos os presentes, dizendo:
 
 
E a vós todos aqui presentes, abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai, Filho ffi e Espírito Santo.
 
 
R. Amen.
 
 


8 Cf. Missale Romanum, Ordo Lectionum Missae, nn. 801-805 ou nn. 943-947.


 


C. BÊNÇÃO FORA DA MISSA
115. O rito de bênção que aqui se propõe pode ser utilizado também por um diácono, ou ainda por um leigo que seguirá os ritos e textos para ele previstos.
116. Para adaptar a celebração às circunstâncias do lugar e dos esposos, podem tomar-se algumas partes deste rito de bênção, conservando sempre os seus elementos principais.
Quando a bênção dos esposos se realiza sem a presença da comunidade, o ministro pode utilizar o rito mais breve adiante indicado nos nn. 132-134.
RITOS INICIAIS
117. Reunida a assembleia, pode cantar-se o salmo 33(34) ou outro cântico apropriado. Terminado o cântico, o ministro diz:
Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
Todos se benzem e respondem:
Amen.

118. Em seguida o ministro se é sacerdote ou diácono, saúda os presentes, dizendo:
A graça e a paz de Deus nosso Pai, que dignificou a aliança matrimonial,
tornando-a sacramento de Cristo e da Igreja, estejam convosco.
ou outras palavas apropriadas, de preferência tomadas da Sagrada Escritura. Todos respondem:
Bendito seja Deus, que nos reuniu no amor de Cristo.
                
ou de outro modo apropriado.

119. Se o ministro é leigo, saúda os presentes, dizendo:
Bendito seja Deus, Pai de toda a consolação, que nos manifestou a sua misericórdia.
Todos respondem:
Amen.
                

120. Então o ministro, nos aniversários do Matrimónio, prepara os esposos e os presentes para receberem a bênção, dizendo estas palavras ou outras semelhantes:
Reunimo-nos aqui para comemorar o aniversário da celebração do Matrimónio destes nossos irmãos. Sentimo-nos solidários com a sua alegria e juntamente com eles queremos dar graças a Deus. O Senhor fez deles um sinal do seu amor no mundo e eles foram fiéis à sua aliança através dos anos (e cumpriram dignamente a sua obrigação de pais).
Dêmos graças também, irmãos, por todos os benefícios que o Senhor vos concedeu na vossa vida de casados. Deus vos conserve em mútuo amor toda a vossa vida, de modo que sejais, cada vez mais plenamente, um só coração e uma só alma.
Noutras circunstâncias, a admonição deve ser oportunamente adaptada.
LEITURA DA PALAVRA DE DEUS
121. O leitor ou um dos presentes um texto da Sagrada Escritura, escolhido de preferência entre os que são propostos no Ritual Romano para a celebração do Matrimónio e no Leccionário do Missal Romano para as Missas pelos Esposos ou de acção de graças9. Escolham-se os textos que melhor se relacionem com as circunstâncias concretas dos esposos.

1 Cor 1, 4-9: «Bendito seja Deus, pela graça que vos foi dada»
Escutai, irmãos, as palavras do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Dou contínuas graças a Deus, em todo o tempo, a vosso respeito, pela graça de Deus que vos foi dada em Cristo Jesus. Porque n’Ele fostes enriquecidos em tudo: em toda a palavra e em todo o conhecimento; e deste modo, tornou-se firme em vós o testemunho de Cristo. De facto, já não vos falta nenhum dom da graça, a vós que esperais a manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ele vos tornará firmes até ao fim, para que sejais irrepreensíveis no dia de Nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é Deus, por quem fostes chamados à comunhão com seu Filho, Jesus Cristo, Nosso Senhor.

122. Conforme as circunstâncias, pode dizer-se ou cantar-se um salmo responsorial ou outro cântico apropriado.
Salmo 127(128), 1-5 (R. cf. 1)
R. Feliz aquele que espera no Senhor.
Feliz de ti, que temes o Senhor e andas nos seus caminhos.
Comerás do trabalho das tuas mãos, serás feliz e tudo te correrá bem. R.
Tua esposa será como videira fecunda, no íntimo do teu lar;
teus filhos como rebentos de oliveira, R. ao redor da tua mesa.
Assim será abençoado o homem que teme o Senhor.
De Sião te abençoe o Senhor
e vejas a prosperidade de Jerusalém todos os dias da tua vida. R.
123. Depois da leitura, o ministro, conforme as circunstâncias, explica brevemente o texto sagrado e expõe a doutrina sobre o mistério e a graça da vida matrimonial cristã, para que os presentes compreendam à luz da fé o significado da celebração.
Em seguida, o ministro convida os esposos a orar em silêncio e a renovar diante de Deus o propósito de viverem santamente o Matrimónio.
124. Então o ministro, nos aniversários do Matrimónio, diz, conforme as circunstâncias, esta oração:
Fortalecei e santificai, Senhor, o amor dos vossos servos,
para que, tendo entregado um ao outro estas alianças em sinal de fidelidade,
progridam sempre na graça do sacramento. Por Nosso Senhor.
R. Amen.
Podem ser incensadas as alianças.

125. Se se renovam as alianças o celebrante abençoa-as, dizendo:
Abençoai e santificai, Senhor, o amor dos vossos servos,
para que, entregando um ao outro estas alianças em sinal de fidelidade,
renovem o seu compromisso de amor e a graça do sacramento.
Por Nosso Senhor.
R. Amen
126. O sacerdote ou o diácono podem também utilizar as seguintes fórmulas 10:
Derramai, Senhor, a vossa bênção sobre estas alianças que + abençoamos em vosso nome,
para que estes esposos que as vão usar, guardando íntegra fidelidade um ao outro,
permaneçam na vossa paz, obedeçam à vossa vontade e vivam sempre em mútua caridade.
Por Nosso Senhor.
R. Amen.
ou
Abençoai + e santificai, Senhor,
o amor dos vossos servos (N. e N.)
e fazei que, usando estas alianças em sinal de fidelidade, recordem dia após dia a promessa de se amarem mutuamente. Por Nosso Senhor.
R. Amen.
PRECES
127. Segue-se a oração comum. Das intercessões que aqui se propõem, o ministro pode escolher as que parecerem mais apropriadas ou acrescentar outras mais directamente relacionadas com as circunstâncias peculiares do momento ou dos esposos.
Invoquemos a misericórdia de Deus Pai todo-poderoso, que, na sua admirável providência, quis que a história da salvação fosse simbolizada pelo amor, fidelidade (e fecundidade) conjugal. Digamos com humilde confiança:
R. Renovai, Senhor a fidelidade dos vossos servos.
Pai santo, que fizestes da união matrimonial
um grande sacramento referido a Cristo e à Igreja,
derramai sobre estes vossos servos a plenitude do vosso amor.   R.
                
No dia do 25°, 50° ou 60° aniversário:
Pai santo, Deus fiel,
que pedis e recompensais a fidelidade à vossa aliança, enriquecei com a abundância das vossas bênçãos
estes vossos servos que celebram o (vigésimo quinto, quinquagésimo, sexa- gésimo) aniversário do seu Matrimónio. R.
                

Pai santo, que viveis eternamente com o Filho e o Espírito Santo em plena unidade de vida e comunhão de amor,
fazei que estes vossos servos
recordem sempre e observem fielmente
a aliança de amor que firmaram no sacramento do Matrimónio. R.
Pai santo, que, na vossa admirável providência, ordenais todos os acontecimentos da vida humana
de modo a orientar os fiéis para a participação no mistério de Cristo, fazei que estes vossos servos,
aceitando serenamente as prosperidades e as adversidades da vida, fortaleçam a sua união com Cristo e vivam só para Ele. R.
Pai santo, que, na vossa inefável sabedoria,
quisestes que o Matrimónio fosse um testemunho de vida cristã, fazei que todos os esposos sejam no mundo
testemunhas do mistério de amor do vosso Filho. R.
ORAÇÃO DE BÊNÇÃO
128. O ministro de braços abertos, se é sacerdote ou diácono; de mãos juntas, se é leigo diz a oração de bênção, escolhendo a fórmula conforme as circunstâncias.
a) No 25.º, 50.º, 60.º aniversário do Matrimónio:
Nós Vos louvamos e bendizemos, Deus, criador do universo, que no princípio do mundo formastes o homem e a mulher para constituírem uma comunidade de vida e de amor.
Nós Vos damos graças,
porque Vos dignastes abençoar a união familiar dos vossos servos N. e N.,
para se tornarem imagem da união de Cristo com a sua Igreja.
Vós que os conservastes unidos pelo amor nas alegrias e trabalhos,
olhai hoje para eles com bondade:
renovai constantemente a sua aliança nupcial,
aumentai o seu amor e fortalecei-os pelo vínculo da paz, para que (juntamente com os filhos que os rodeiam) gozem sempre da vossa bênção.
Por Nosso Senhor.
R. Amen.
b)  Noutras circunstâncias:
Senhor, Pai santo,
que elevastes a tão grande dignidade a indissolúvel aliança matrimonial, tornando-a imagem e símbolo
da união nupcial de Cristo com a Igreja,
olhai com bondade para estes vossos servos N. e N., que, unidos pelo Matrimónio, imploram o vosso auxílio e a intercessão da Virgem Santa Maria:
fazei que o seu amor se manifeste sempre nas alegrias e nas tristezas,
ajudando-se mutuamente,
solícitos em conservar a unidade de espírito pelo vínculo da paz; encontrem nos seus trabalhos a vossa presença reconfortante, sintam nas tribulações a vossa companhia consoladora,
e reconheçam sempre em Vós a fonte da perfeita alegria. Por Nosso Senhor.
R. Amen.
CONCLUSÃO
129. Então o ministro, se é sacerdote ou diácono, conclui a celebração aben- çoando em primeiro lugar os esposos, dizendo, com as mãos estendidas sobre eles:
Deus Pai todo-poderoso vos conceda a sua alegria.
R. Amen.
O Filho Unigénito de Deus vos assista benignamente na prosperidade e na adversidade.
R. Amen.
O Espírito Santo derrame o seu amor divino em vossos corações.
R. Amen.
Por fim abençoa os presentes, dizendo:
E a vós todos aqui presentes, abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai, Filho ffi e Espírito Santo.
R. Amen.
                

130. Se o ministro é leigo, conclui a celebração benzendo-se e dizendo:
Deus nos encha de alegria e esperança na prática da nossa fé. A paz de Cristo habite em nossos corações.
O Espírito Santo derrame sobre nós os seus dons.
R. Amen.
                

131. É conveniente terminar a celebração com um cântico apropriado.

D. FORMA BREVE
132. O ministro diz:
V. O nosso auxílio vem do Senhor.
Todos respondem:
R. Que fez o céu e a terra.

133. Um dos presentes ou o próprio ministro lê um texto da Sagrada Escri- tura, p. ex.:
Mc 10, 8-9
Não são dois, mas uma só carne. Não separe o homem o que Deus
uniu.
Jo 15, 9.10.11:
Permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, perma- necereis no meu amor, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa.

134. O ministro juntas, se é leigo as circunstâncias:
de braços abertos, se é sacerdote ou diácono; de mãos diz a oração de bênção, escolhendo a fórmula conforme

a) No dia do 25.º, 50.º, 60.º aniversário do Matrimónio:
Nós Vos louvamos e bendizemos, Deus, criador do universo, que no princípio do mundo formastes o homem e a mulher para constituírem uma comunidade de vida e de amor.
Nós Vos damos graças,
porque Vos dignastes abençoar a união familiar dos vossos servos N. e N.,
para se tornarem imagem da união de Cristo com a sua Igreja.
Vós que os conservastes unidos pelo amor nas alegrias e trabalhos,
olhai hoje para eles com bondade:
renovai constantemente a sua aliança nupcial, aumentai o seu amor e fortalecei-o pelo vínculo da paz, para que (juntamente com os filhos que os rodeiam) gozem sempre da vossa bênção.
Por Nosso Senhor.
R. Amen.

b)  Noutras circunstâncias:
Senhor, Pai santo,
que elevastes a tão grande dignidade a indissolúvel aliança matrimonial, tornando-a imagem e símbolo
da união nupcial de Cristo com a Igreja,
olhai com bondade para estes vossos servos N. e N., que, unidos pelo Matrimónio, imploram o vosso auxílio e a intercessão da Virgem Santa Maria:
fazei que o seu amor se manifeste sempre nas alegrias e nas tristezas,
ajudando-se mutuamente,
solícitos em conservar a unidade de espírito pelo vínculo da paz; encontrem nos seus trabalhos a vossa presença reconfortante, sintam nas tribulações a vossa companhia consoladora,
e reconheçam sempre em Vós a fonte da perfeita alegria. Por Nosso Senhor.
R. Amen.
                

9 Cf. Ritual Romano, Celebração do Matrimónio, nn. 67-105; Missale Romanum, Ordo Lectionum Missae, nn. 801-805; 943-947.
10 Ritual Romano, Celebração do Matrimónio, nn. 110-111.
PUBLICIDADE
Voltar para o conteúdo